Cuiabá 20/06/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Meio Ambiente
Fim das sacolas dos supermercados impõe mudança de hábitos aos cidadãos

A partir do dia 26 de junho entra em vigor a lei estadual de autoria do deputado Carlos Minc (PSB-RJ) que proíbe os estabelecimentos de fornecerem as sacolas plásticas


 

A rede de supermercados onde costumo fazer algumas compras já está preparando seus clientes para a nova resolução. A partir do dia 26 de junho entra em vigor a lei estadual de autoria do deputado Carlos Minc (PSB-RJ) que proíbe os estabelecimentos de fornecerem as sacolas plásticas que ajudam no transporte de produtos.

Vai ser preciso levar uma bolsa de casa; ou usar uma caixa de papelão; ou comprar uma sacola – a preço de custo, afirmam os donos dos supermercados - com a promessa de que esta venha a ser biodegradável, ou seja, não ficará cem anos boiando nas águas de nossos oceanos e mares. A torcida é para que, desta vez, a lei seja levada a sério.

Na fila do caixa do supermercado, semana passada, minha vizinha reagiu à informação que era passada via microfone para todos os clientes da loja:

“Ora, e agora, como é que eu vou fazer? Para levar minhas compras vou ter que pagar? Mas sempre foi de graça!”, disse ela.


A senhora não ficou muito convencida. Admitiu que está muito “preocupada com o meio ambiente”, mas que há muita coisa que polui e que a poluição de responsabilidade das empresas vai continuar. E com elas, disse minha vizinha de fila, ninguém mexe. A conversa girou, girou, e foi parar na tragédia de Brumadinho.

“Não viu a Vale? Poluiu tanto que acabou causando a morte de mais de 200 pessoas e ninguém mexe com ela. Está aí, no mercado”, disse a senhora.

Não quis desviar o rumo da prosa. Disse que o pensamento dela estava certo, mas que a história das sacolinhas depende bastante de nós. Quem sabe é hora de dar o exemplo para as empresas? Mas minha interlocutora não estava muito fácil de convencer.

“Sabe o que vai acontecer? Eu vou parar de usar sacola plástica no supermercado e vou ficar sem saco de lixo em casa. É isso o que eles querem. Que eu compre saco de lixo!”.

A esta altura, percebi que minha opinião apenas, mesmo que tenha sido balizada por números e casos expressivos, não iria demover aquela senhora. Estamos vivendo em tempos tão polarizados que o bom senso manda lembrança. Despedi-me.

Cheguei em casa e fiz contato com o biólogo Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima (OC), uma coalizão de organizações da sociedade civil para discutir mudanças climáticas.

Contei-lhe sobre a opinião daquela senhora porque tenho a sensação de que é semelhante à de muitos outros cidadãos. O fim das sacolas plásticas exige mudança de um hábito arraigado, e isso costuma encontrar muita resistência.


"Estima-se que a cada hora distribuam-se 1,5 milhão de sacolas de supermercados no Brasil. São mais de 13 bilhões por ano. É muita coisa. Estes resíduos ajudam a gerar muito problemas, entre eles os apontados por um estudo recém publicado, que estima que cada ser humano, em média, digira cerca de 50 mil partículas de microplástico por ano, e que inale uma quantidade semelhante a cada ano. Mudar esta situação depende de políticas públicas, compromissos e ações de empresas e mudanças em nossos hábitos", afirmou.

Além da informação que Rittl passou, há, também, no relatório feito pelo site Environmental Science & Technology, um dado que deve ser considerado por quem só toma água mineral servida em garrafinhas:


Rittl diz alerta ainda para um segundo fator importante, que mexe também com os bolsos dos cidadãos:

“Diferentemente do que talvez pareça, as sacolas de supermercados não nos são dadas de graça, nós pagamos por elas. Os mercados incorporam seu custo ao preço dos produtos que compramos. Portanto, se tivermos que pagar por outra solução para a armazenagem de nosso lixo doméstico, precisamos nos dar conta que hoje já pagamos por isso quando usamos sacolas de supermercado”, disse ele.

Bem, mas o fato é que ninguém está querendo pagar pelos sacos de lixo. E que, no fim das contas, os sacos de lixo também vão acabar sujando o meio ambiente. Qual a solução para isto?


 “Hoje já se comercializam sacolas biodegradáveis. Elas são mais caras do que as sacolas de plástico tradicional. Mas não causam os problemas gerados pelas 13 bilhões de sacolinhas plásticas distribuídas por ano no país. Se passarmos a adotá-las mais e mais, a tendência é que haja uma redução dos custos”, disse Rittl.


“Há condomínios que têm composteiras coletivas ou sistemas de compostagem, e há cidades no Brasil onde esse tipo de resíduo é recolhido para produção de composto, que, quando colocado no solo, torna-o mais fértil. Isso pode ser massificado. E pode-se usar recipientes sem sacola plástica para armazenar este tipo de resíduo antes de transferi-lo. Ou usar as sacolas biodegradáveis. Uma outra boa parte de nossos resíduos é composta por material reciclável. Não é necessário armazenar esses resíduos em sacolas plásticas. Pode-se colocar em um recipiente específico sem plástico, antes de ser destinado para reciclagem”, disse Rittl.

Composteiras são recipientes especiais que transformam o lixo orgânico caseiro em húmus. Neste site ensinam a fazer. Mas, se o leitor morar num condomínio, o ideal é fazer uma reunião e estudar a melhor maneira. Tem que tomar cuidado porque as composteiras, quando não são rigidamente vedadas, podem atrair pragas urbanas, e ninguém quer isso. Se houver uma horta urbana perto de sua casa, o assunto está resolvido: é só juntar o lixo e mandar para a horta.

Já o lixo do banheiro pode ser armazenado em sacos de papel, como antigamente.

O importante nessa história é perceber que, se não depende diretamente de nós amenizar a poluição industrial, o mesmo não acontece com relação aos plásticos. E uma boa resposta dos cidadãos pode balizar as empresas no sentido do que se quer.


 

Autor: Por Amelia Gonzalez - G1
Data: 10/06/2019
Noticias da Sessão: Meio Ambiente
» Fim das sacolas dos supermercados impõe mudança de hábitos aos cidadãos
» Brasil é o país que mais altera leis que deveriam proteger a Amazônia, indica estudo
» Extensa programação: 15ª Semana do Meio Ambiente tem início com caminhada no Parque Mãe Bonifácia
» França bane uso de fungicida epoxiconazol por preocupações com saúde
» Relatório aponta mais impactos negativos do plástico no meio ambiente e na saúde humana
» Ibama flagra extração ilegal de madeira em terra indígena e polícia prende 12 pessoas em MT
» Desmatamento diminui 77% da Amazônia em MT em março de 2019, diz governo
» Mudanças climáticas abalaram a vida de 62 milhões só no ano passado, diz relatório da OMM
» Fim de semana produtivo para o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental
» Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental apreende 173 palanques de madeira durante Operação Ágata em Cáceres-MT*
» Baleia é encontrada morta com 40 quilos de plástico no estômago
» Tailândia enfrenta difícil caminho para deixar dependência de plástico
» Deputados apresentam sete projetos para alterar política de barragens
» Após denúncia: PM e Juvam apreendem mais de 400kg de pescado irregular
» Fernando de Noronha já tentou vetar o plástico descartável em 1996; novo decreto prevê multa a partir de abril
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.