Cuiabá 20/06/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Meio Ambiente
Brasil é o país que mais altera leis que deveriam proteger a Amazônia, indica estudo

Foram 115 alterações legislativas entre 1961 e 2017, sendo que 66 delas (61%) foram feitas no Brasil.


 

O Brasil é o país que mais altera as leis que deveriam proteger a Amazônia entre os nove que são cobertos por este bioma. Os dados são do estudo "The uncertain future of protected lands and waters" ("O futuro incerto das terras e águas protegidas"), conduzido por pesquisadores liderados pela ONG Conservação Internacional.

Ao todo, os nove países fizeram 115 alterações entre os anos de 1961 e 2017, sendo que 66 delas (61%) ocorreram no Brasil. Essas medidas afetaram 18 milhões de hectares da Amazônia – 11 milhões apenas em território brasileiro.

A pesquisa completa analisou atos legislativos que diminuíram a área delimitada, ampliaram o uso do solo ou retiraram totalmente a proteção de áreas protegidas em 78 países ao longo de mais de um século. No contexto mundial, Brasil e Estados Unidos lideram as alterações na legislação ambiental.

No recorte da Amazônia feito pelo G1, a pesquisa traz a análise de medidas adotadas em países como Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa, Peru, Suriname e Venezuela, além do Brasil. Os dados disponíveis se referem ao período de 1961 a 2017.

 

Brasil reduz área protegida

 

A maior parte das alterações na lei brasileira são para reduzir a área protegida – é o caso de 45 das 66 leis. Outras 11 são para ampliar as atividades permitidas de uso do solo e 10, para a retirada total da proteção.

O estudo cita como exemplo a alteração dos limites de oito unidades de conservação na região do Tapajós que deram espaço para a construção de cinco hidrelétricas, abrangendo uma área de 863 km².

Na Colômbia, a ameaça é o Código de Mineração do país, um conjunto de leis diminuiu a proteção em áreas de floresta para dar lugar à atividade econômica.


Alterações na lei não seguem critérios científicos

 

Em entrevista ao G1 nesta segunda-feira (3), o biólogo e geocientista Bruno Coutinho, coautor do estudo e diretor de Gestão do Conhecimento da ONG Conservação Internacional, alerta para a necessidade de haver mais critério quando se trata da alteração da lei vigente.


Ele aponta que "o afrouxamento na lei é uma ameaça". "As alterações afetam o status de proteção da área, seja reduzindo ou extinguindo."


Perdas econômicas

 

Embora o afrouxamento da legislação possa dar a ideia de maior uso do solo para atividades econômicas, Coutinho afirma que haverá perdas a médio e longo prazo.

Como exemplo, ele cita outro estudo da ONG Conservação Internacional, chamado "Quanto vale o verde", em que os autores indicam as perdas financeiras com a degradação do ambiente.

"Muitos estudos e práticas têm demonstrado que não há dicotomia entre conservação da natureza e desenvolvimento sustentável; muito pelo contrário, cada vez mais setores da produção agropecuária e industrial, bem como extrativistas tradicionais e sociedade em geral têm percebido a necessidade de ampliar a escala de conservação para a garantia de bem-estar para gerações futuras", afirma.


 

Autor: Por Elida Oliveira, G1
Data: 03/06/2019
Noticias da Sessão: Meio Ambiente
» Fim das sacolas dos supermercados impõe mudança de hábitos aos cidadãos
» Brasil é o país que mais altera leis que deveriam proteger a Amazônia, indica estudo
» Extensa programação: 15ª Semana do Meio Ambiente tem início com caminhada no Parque Mãe Bonifácia
» França bane uso de fungicida epoxiconazol por preocupações com saúde
» Relatório aponta mais impactos negativos do plástico no meio ambiente e na saúde humana
» Ibama flagra extração ilegal de madeira em terra indígena e polícia prende 12 pessoas em MT
» Desmatamento diminui 77% da Amazônia em MT em março de 2019, diz governo
» Mudanças climáticas abalaram a vida de 62 milhões só no ano passado, diz relatório da OMM
» Fim de semana produtivo para o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental
» Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental apreende 173 palanques de madeira durante Operação Ágata em Cáceres-MT*
» Baleia é encontrada morta com 40 quilos de plástico no estômago
» Tailândia enfrenta difícil caminho para deixar dependência de plástico
» Deputados apresentam sete projetos para alterar política de barragens
» Após denúncia: PM e Juvam apreendem mais de 400kg de pescado irregular
» Fernando de Noronha já tentou vetar o plástico descartável em 1996; novo decreto prevê multa a partir de abril
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.