Cuiabá 20/06/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Politica
Na Educação: Governo Mendes encara a primeira greve em sua gestão

Apesar de o governo ter estreitado o diálogo com os profissionais, em reunião na última sexta-feira (24), não houve avanços.


 

O governador Mauro Mendes enfrenta, a partir desta segunda-feira (27), a primeira greve de sua gestão promovida pelos profissionais da educação pública, que pedem reajuste salarial, melhoria na infraestrutura e concurso para a categoria, que  hoje conta com quase 40 mil profissionais.

 

Apesar de o governo ter estreitado o diálogo com os profissionais, em reunião na última sexta-feira (24), não houve avanços.

 

Leia também - Mauro avisa a empresários que vai revisar incentivos fiscais

 

 

De acordo com dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), foram apresentadas propostas de onde os recursos podem sair para cobrir os investimentos na educação.

 

“É necessário vontade política para o cumprimento das leis (Lei nº510/2013), ignoradas pelo governador Mauro Mendes”, destacou o Sintep. 

 

A lei citada trata dos subsídios dos profissionais, que devem ser realinhados sobre as atuais tabelas, a título de ganho real e nos percentuais relacionados. 

 

Para 2019, a lei previa um reajuste de 7,69% a partir de 1º de maio, o que não foi feito. 

 

No entanto, o secretário de Estado de Gestão e Planejamento, Basílio Bezerra, informou que após um levantamento feito pela pasta, o aumento para os profissionais da Educação refletiria também na obrigação de aumentar o subsídio de outras categorias. 

 

“Servidores da Secretaria de Meio Ambiente (5,5%), a partir de junho, e do Grupo de Tributação, Arrecadação e Fiscalização (4,0%), a partir de julho. Esses reajustes impactariam a folha salarial do Executivo em mais de R$ 200 milhões até o fim do ano, causando um descumprimento ainda maior da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o que traria sérias consequências à população”, explicou a secretaria. 

 

O secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, também participou da reunião e tentou sensibilizar os profissionais, dizendo que as reivindicações são legítimas, mas que, no momento, o Governo não pode cumpri-las integralmente.

 

(Com informações das Assessorias de Imprensa)

 

Autor: GD: Yuri Ramires
Data: 26/05/2019
Noticias da Sessão: Politica
» Eleições: Botelho diz que deixará decisão sobre futuro político para 2020
» União se recusa a ser avalista de empréstimo de US$ 250 milhões do governo de MT
» NA DIVISA DE MT: Bolsonaro critica esquerda e diz que não atrapalhará quem produz
» Transporte Público: MPE abre inquérito e acompanha licitação lançada em Cuiabá
» Pinheiro aproxima poder público e população com programa “Prefeito no seu bairro”
» US$ 332 milhões: Governo aciona STF para garantir empréstimo com o Banco Mundial
» Greve da Educação: Dar aumento salarial é emitir um cheque sem fundo, diz Mauro
» Prefeito entrega mais 90 leitos de enfermaria e parque tecnológico de imagens do HMC
» Punição severa: OAB exclui advogados que foram secretários de Silval
» Santa Cruz de La Sierra: Mauro Mendes inicia negociação com Evo Moraes para comprar gás boliviano
» Prefeito mantém compromisso com servidores no pagamento dos salários dentro do mês trabalhado
» Na região Sul, prefeito entrega o primeiro Centro Educacional Infantil Cuiabano
» Desentendimento que segue: Vídeo mostra sessão na Câmara que termina em tapas
» us$ 250 milhões: Diretoria do Banco Mundial aprova empréstimo para Mato Grosso
» Na Educação: Governo Mendes encara a primeira greve em sua gestão
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.