Cuiabá 21/08/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Cidades
Indenização: Justiça manda Caixa devolver R$ 34 mil a cliente por movimentações fraudulentas

O pedido de danos morais foi indeferido pelo juiz federal Phelipe Vicente de Paula Cardoso.


 

A 1ª Vara Federal de Americana, cidade do interior de São Paulo, julgou procedente pedido de indenização de um cliente da Caixa, que teve várias movimentações fraudulentas em sua conta poupança ao longo de um ano e meio.

A Caixa deverá devolver ao autor da ação cerca de R$ 34 mil, o total de saques e débitos indevidos, atualizados com juros e correção monetária próprios da conta poupança. O pedido de danos morais foi indeferido pelo juiz federal Phelipe Vicente de Paula Cardoso.

O cliente alegou que as movimentações, em forma de compras a débito e saques, ocorreram entre 2014 e 2016, mas que só tomou conhecimento em 2017, quando procurou o banco e não obteve sucesso na solução do problema.

Nos autos, em sua defesa, a Caixa alegou que "não houve constatação de fraude nas operações" e que não haveria pressuposto para a sua responsabilidade civil. Mas o autor da ação solicitou a inversão do ônus da prova, para que o banco ficasse responsável por provar as alegações feitas, pedido que foi concedido pelo juiz.

Na decisão, o magistrado enfatizou que a inversão do ônus da prova deu à Caixa a possibilidade de demonstrar a regularidade das operações, "mas isso não foi feito".

"Seria possível, por exemplo, trazer para os autos um processo administrativo relativo à apuração de irregularidades alegadas ou apresentar datas em que eventualmente houve emissão de extratos, visto que o autor informou que não acompanhava a movimentação da conta", explicou.

Na decisão, o juiz afirmou que "as alegações genéricas de que as operações de débitos e saques são realizadas apenas mediante uso de cartão e senha pessoais não descaracterizam as irregularidades das operações, por ser notoriamente possível ocorrência de fraudes ainda que utilizados os mecanismos de segurança habituais".

Defesa

Nos autos, em sua defesa, a Caixa alegou que "não houve constatação de fraude nas operações" e que não haveria pressuposto para a sua responsabilidade civil. "A Caixa foi intimada da sentença no dia 31 de janeiro e está analisando o caso para adoção das medidas pertinentes", informou a assessoria do banco em nota. 

 

Autor: Estadão
Data: 11/02/2019
Noticias da Sessão: Cidades
» Assembleia de SP aprova projeto que prevê cesárea sem indicação médica no SUS
» Eliminação de Tarifas: Acordo Mercosul-UE vai beneficiar setor de fruticultura, diz Bolsonaro
» Petrobras reduz preço do diesel em 4,6% e acaba com periodicidade para reajustes
» Regularização Fundiária: Fruto de ocupações, Cuiabá tem 61% dos bairros irregulares
» Parceria entre Prefeitura e comunidade promove revitalização do Centro de Saúde do Tijucal
» Sem Piquetes: TJ proíbe sindicato de impedir entrada de professores em escolas
» Estratégia de Cuiabá no combate ao aedes aegypti é destaque nacional
» Prefeitura de Cuiabá convoca candidatos aprovados no Processo Seletivo da Educação
» Veja lista: Concursos em Mato Grosso têm salários de até R$ 5,5 mil
» Empresas e motoristas fecham acordo; ônibus voltam a circular
» Greve dos servidores da educação de MT completa duas semanas sem acordo com o governo
» Compromisso: Prefeitura se compromete a ajudar no pagamento dos salários atrasados dos funcionários da Santa Casa
» Personagens de MT: "Rondon foi um grande pacifista e merecia o Prêmio Nobel"
» No berço da cidade: Ceramistas abrem ateliê e querem resgate do Centro Histórico
» Operação Lei Seca: Polícia prende 8 motoristas embriagados e apreende 34 veículos
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.