Cuiabá 22/02/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Politica
Caixa 2: Ministério Público encontra cheque omitido por senadora Selma Arruda

O cheque foi pago por Gilberto Eglair Possamai à KGM Institucional Ltda, empresa do publicitário e jornalista Kleber Lima, antes do período eleitoral.


 

Um cheque no valor de R$ 120 mil encontrado pelo mesmo sistema utilizado na Operação Lava Jato pode ser uma forte evidência de que a ex-juíza Selma Rosane Arruda (PSL) utilizou “caixa 2” para conseguir se eleger ao Senado em outubro do ano passado.  

 

Leia também - TJ proíbe vereadores de terem acesso irrestrito a documentos

 

O cheque foi pago por Gilberto Eglair Possamai à KGM Institucional Ltda, empresa do publicitário e jornalista Kleber Lima, antes do período eleitoral. Os gastos não constam na prestação de contas de Selma e Possamai é o primeiro suplente da senadora e um dos principais doadores da campanha da juíza aposentada.   

 

Em depoimento ao Ministério Público Federal em dezembro de 2018, Kleber Lima foi questionado sobre quais pagamentos recebeu de Selma Arruda e de seus correligionários. Sem citar o cheque de R$ 120 mil, o publicitário disse apenas que recebeu dois repasses: um no dia 31 de julho no valor de 80 mil e outro no dia primeiro de agosto totalizando R$ 20 mil.   

 

O depoimento foi interpretado pelo MPF como uma espécie de “omissão”, uma vez que o Lima não comentou sobre o pagamento de Possamai, que sequer foi registrado na prestação de contas.    

 

A movimentação financeira foi identificada pelo Sistema de Investigação de Movimentações Bancárias, o mesmo sistema utilizado pelo Ministério Público Federal (MPF) nas investigações da Operação Lava Jato. Selma e Possamai são investigados por gastos ilegais na campanha, que podem configurar caixa dois eleitoral.   

 

A quebra de sigilo bancário de Selma foi decretada no dia 26 de outubro pelo desembargador do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT) Pedro Sakamoto. Desde então, os bancos em que Selma e Possamai possuem contas não estavam alimentando o Simba, sistema responsável pelo rastreio das informações. Para solucionar o problema, Sakamoto decretou, no dia 17 deste mês, que os bancos enviassem os dados em até 5 dias. Os bancos Bradesco, do Brasil e Robobank foram notificados.   

 

Chico Ferreira

Kleber Lima

 Kleber Lima

Selma Arruda também responde por pagamentos que teriam sido feitos fora do período eleitoral à Genius Publicidade, empresa que pertence ao publicitário Júnior Brasa. A empresa alega que foi contratada, em abril, para prestar serviços de campanha na ordem de R$ 1,8 milhão, mas apenas R$ 470 mil foram pagos por Selma.   

 

A contratação ocorreu dias após Selma Arruda se aposentar do cargo de juíza e anunciar a pré-candidatura. A empresa iniciou os serviços recebendo o valor inicial na pré-campanha. Selma pediu para fazer um novo contrato, com valores menores, mas a empresa negou. Pouco depois, a própria juíza pediu rompimento do contrato.   

 

O também candidato ao Senado, Sebastião Carlos (Rede) utilizou as informações prestadas por Brasa para acusar Selma de caixa 2, o mesmo foi feito por Carlos Fávaro (PSD), que ficou em terceiro lugar na disputa.   

 

Outro lado   

 

A assessoria jurídica da senadora Selma Arruda (PSL) e da KMG Assessoria Institucional negam a existência de pagamento via cheque de R$ 120 mil realizado pelo empresário Gilberto Possamai. Por meio de nota encaminhada à reportagem do jornal A Gazeta, Selma e a KGM informaram que todos os gastos foram discriminados na prestação de contas eleitorais.   

 

Segundo a KGM, os pagamentos em cheque foram todos da conta da campanha junto às notas fiscais. A investigação tem apontado, no entanto, que o cheque de R$ 120 mil pago por Possamai não consta na prestação de contas.   

 

A empresa também ressaltou que o único pagamento feito fora da prestação de contas é relativo a uma pesquisa de posicionamento anterior à convenção do PSL. Esse pagamento, inclusive, já teria sido esclarecido pelo próprio Kleber Lima durante depoimento ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE/MT) em ‘novembro ou dezembro’ do ano passado.    

 

A juíza aposentada Selma Arruda também reiterou que todos os pagamentos já foram explicados em Ação de Investigação da Justiça Eleitoral (Aije) movida contra ela pelos ex-candidatos Sebastião Carlos (Rede) e Carlos Fávaro (PSD). As informações teriam sido prestadas em audiência publicada realizada no dia 13 de novembro do ano passado.   

 

Selma corre o risco de perder o cargo e ser condenado por caixa 2, caso as acusações contra ela sejam comprovadas. A ex-juíza chegou, inclusive, a sofrer pedido para que sua chapa não fosse diplomada no Senado. O pedido foi negado pelo desembargador Pedro Sakamoto.

 

Gazeta Digital

Selma cheque

  

Autor: GD: Lázaro Thor Borges e Pablo Rodrigo
Data: 27/01/2019
Noticias da Sessão: Politica
» Cadeira no TCE, acompanhe: Candidatos a conselheiro fazem explanação; Rezende retira nome
» 'Número suficiente', diz presidente sobre quantidade de servidores da Câmara de Cuiabá
» Setor Público e Privado: Reforma da Previdência será enviada ao Congresso na quarta
» General da reserva, novo ministro da Secretaria-Geral atuou no Haiti e é paraquedista como Bolsonaro
» Suspeita de Superfaturamento: Governo fez pregão para comprar colheres de plástico a R$ 6 cada
» Pré-campanha: Defesa de Selma Arruda apresenta alegações finais sobre abuso de poder e caixa 2
» Reação de Produtores: Prefiro começar vaiado e terminar aplaudido, diz Mendes
» Marcha no CPA: Servidores públicos protestam contra escalonamento e pela RGA
» Indicação da Assembléia: Rito para escolha de conselheiro deve ser publicado na terça-feira
» Blocos em discussão: Deputados articulam composição de Comissões Permanentes
» Operação Sodoma: TJ retira tornozeleira eletrônica de Silval, filho e mais 14 pessoas
» A bancada dos réus na Alerj: 1 em cada 5 deputados responde a processos criminais ou está preso
» "Vou contribuir, mas não abro mão da independência", diz Misael
» "Escolha do novo conselheiro do TCE será transparente e criteriosa"
» Pacote de Moro: "Medidas endurecem combate ao crime organizado e corrupção"
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.