Cuiabá 22/02/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Politica
Governo vai conseguir colocar salários em dia seis meses após decreto de calamidade financeira, diz presidente da ALMT

Documento permite que o governo adote medidas que possibilitem a redução de despesas em todas as áreas.


 

O presidente da Assembelia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), Eduardo Botelho (DEM), afirmou nesta sexta-feira (25) que, com a aprovação do decreto de calamidade financeira, em seis meses, o governo do estado vai conseguir por os salários dos servidores públicos em dia.

O decreto aprovado a contragosto dos servidores públicos e de representantes dos setores agropecuário e comerical, tem prazo de validade máxima de 180 dias, podendo ser prorrogado.

Segundo o governador Mauro Mendes (DEM), a medida, aprovada em duas votações, ambas nessa quinta-feira, é necessária por causa de dívidas deixadas pela administração anterior, estimadas em R$ 4 bilhões, e despesas acima da arrecadação prevista para este ano.

O decreto permite que o governo adote medidas que possibilitem a redução de despesas em todas as áreas. Um dos focos é a folha de pagamento.

Junto com o decreto, os parlamentares votaram alterações no Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) e o congelamento da Revisão Anual Geral (RGA), que é um direito dos servidores públicos, por dois anos.

Quanto ao Fethab, Botelho declarou que a reformulação vai possibilitar a injeção de R$ 600 mihões a mais nos cofres públicos. Ele alegou que, de maneira geral, o valor da contribuição permaneceu no patamar anterior.

Sobre a RGA, o parlamentar afirmou que, assim que a economia do estado for restabelecida, o reajuste volta a ser discutido. E que, o prazo máximo do índice estabelecido é dois anos.

Com relação aos repasses para os poderes Legislativo e Judiciário, Botelho afirmou que haverá um controle para que os repasses não ocasionem prejuízos à economia.

 

Votação

 

Os projetos foram aprovados em duas votações, ambas na quinta-feira. No entanto, a aprovação ocorreu depois de muita discussão com os representantes dos setores envolvidos e sob manifestaçãoes do servidores públicos que não concordaram com as medidas propostas.

Além do Fethab e da RGA, a proposta de extinguir nove secretarias e cinco autarquias e de criação de uma nova versão da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), foram apreciadas pelos parlamentares.

 

Autor: Por G1 MT
Data: 27/01/2019
Noticias da Sessão: Politica
» Cadeira no TCE, acompanhe: Candidatos a conselheiro fazem explanação; Rezende retira nome
» 'Número suficiente', diz presidente sobre quantidade de servidores da Câmara de Cuiabá
» Setor Público e Privado: Reforma da Previdência será enviada ao Congresso na quarta
» General da reserva, novo ministro da Secretaria-Geral atuou no Haiti e é paraquedista como Bolsonaro
» Suspeita de Superfaturamento: Governo fez pregão para comprar colheres de plástico a R$ 6 cada
» Pré-campanha: Defesa de Selma Arruda apresenta alegações finais sobre abuso de poder e caixa 2
» Reação de Produtores: Prefiro começar vaiado e terminar aplaudido, diz Mendes
» Marcha no CPA: Servidores públicos protestam contra escalonamento e pela RGA
» Indicação da Assembléia: Rito para escolha de conselheiro deve ser publicado na terça-feira
» Blocos em discussão: Deputados articulam composição de Comissões Permanentes
» Operação Sodoma: TJ retira tornozeleira eletrônica de Silval, filho e mais 14 pessoas
» A bancada dos réus na Alerj: 1 em cada 5 deputados responde a processos criminais ou está preso
» "Vou contribuir, mas não abro mão da independência", diz Misael
» "Escolha do novo conselheiro do TCE será transparente e criteriosa"
» Pacote de Moro: "Medidas endurecem combate ao crime organizado e corrupção"
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.