Cuiabá 15/09/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Meio Ambiente
Tamanduá-bandeira enfrenta onça-pintada - e leva a melhor na briga

Vídeos registram momentos em que animais ameaçados de extinção se encontra e lutam em seu habitat no Brasil.


 

A onça-pintada se aproxima devagar e silenciosa, procurando não ser notada. Seus olhos estão fixos na possível presa, um tamanduá-bandeira, que tem praticamente o mesmo tamanho. Já o tamanduá, que não enxerga nem escuta bem, sente a presença do predador com seu olfato acurado.

Alertas, as duas espécies latino-americanas, ambas consideradas vulneráveis à extinção, ficam bem próximas uma da outra e calculam os movimentos.

Então, o embate acontece. Mas não é o predador que ataca a presa. É o tamanduá-bandeira que parte em defesa própria. Avança em direção à onça-pintada e parece tentar dar um soco com sua forte pata dianteira, munida de garras longas e afiadas - seu interesse é apenas se defender, já que se alimenta de formigas e cupins.

Após o ataque do tamanduá, o felino se afasta com muita agilidade. E desiste da caçada, pois a presa é valente demais.

Cenas como essas são momentos raros da vida selvagem do Brasil. Nos últimos anos, foram registradas em vídeo duas vezes. Uma delas pelo projeto Onçafari, no Refúgio Ecológico Caiman, em Mato Grosso do Sul, em setembro de 2018. Outra, na Reserva Biológica do Gurupi, no Maranhão, em janeiro de 2016, pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

"Monitoramos a onça-pintada há oito anos. Nesse período, só avistamos a onça tentando predar tamanduá umas cinco vezes - e ela só teve sucesso uma vez", diz Mário Haberfeld, coordenador do Onçafari. Nas imagens registradas pelo projeto, o tamanduá repele a aproximação de uma onça fêmea com cerca de dois anos, conhecida pela equipe do projeto como Xereta.

"O imaginário das pessoas é que é sempre um encontro fatal, em que a onça é quem preda. Mas há uma série de fatores que dão o resultado final. Por exemplo, se é um tamanduá mais maduro e se a onça está com pouca fome", explica o biólogo Rodrigo Viana, fundador e pesquisador do Instituto Jurumi, que trabalha com tamanduás. "A tendência do tamanduá é fugir, mas se ele se sentir ameaçado, pode tentar se defender".

"O tamanduá é uma presa da onça, mas não é a principal. Ele vai de fato tentar se defender, usando suas garras. A onça foge porque reconhece o risco", afirma Ronaldo Morato, coordenador do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap) do ICMBio, que faz monitoramento de biodiversidade com câmeras noturnas - uma delas, inclusive, que registrou o encontro entre o tamanduá e a onça no Gurupi, em 2016.

 

Onça e tamanduá enfrentam ameaças parecidas

 

Originalmente, a onça-pintada e o tamanduá-bandeira viviam espalhados do Sul da América do Norte até o Sul da América do Sul. Mas, ao longo do tempo, foram perdendo grande parte do seu habitat natural. Em diversos países, como os Estados Unidos e o Uruguai, as espécies já estão extintas.

Hoje, é no Brasil que vivem em maior número. Mas também por aqui são consideradas vulneráveis à extinção. Antes, viviam espalhadas por todo o país, de Norte a Sul. Já agora, estão praticamente extintas nos Pampas, no Rio Grande do Sul, e são pouco vistas na Mata Atlântica e na Caatinga. A Amazônia e o Pantanal são as regiões onde ocorrem com mais frequência.

"A onça-pintada e o tamanduá-bandeira já não estão presentes em diversos locais do Brasil. Onde um deixou de existir, o outro também", explica Rodrigo Viana, do Jurumi.

"As onças-pintadas estão bem na Amazônia e no Pantanal. Nos Pampas, estão extintas. Na Caatinga e na Mata Atlântica, estão super ameaçadas", fala Haberfeld, do Onçafari. Ao longo de oito anos, o projeto identificou 134 onças - a identificação se dá pelo padrão de pintas, que é como uma digital, único para cada animal. O mesmo ocorre com o tamanduá-bandeira, que já é considerado extinto na maior parte do Sul do Brasil e também no Rio de Janeiro.

A principal ameaça às duas espécies é a perda de habitat, provocada pelo desmatamento, avanço da produção agrícola e da pecuária e implantação de rodovias. Estima-se que o número de animais das duas espécies tenha caído 30% nas últimas três décadas.


No caso específico das onças-pintadas, a espécie também é caçada por pecuaristas que querem se vingar caso o felino tenha atacado o gado.Já os tamanduás-bandeiras, que têm movimentos lentos, são frequentemente vítimas de atropelamento em rodovias. "Outro problema é que pessoas matam o tamanduá porque acham que ele é perigoso. Mas não é", explica a bióloga Flavia Miranda, uma das maiores especialistas brasileiras nessa espécie, do Instituto Tamanduá. "Ele é muito tranquilo, até nos movimentos", completa Rodrigo Viana.

 

A onça-pintada é o maior felino do continente americano. Pode pesar mais de 100 quilos e ter mais de 1,5 metro de comprimento, sem contar a cauda. Extremamente ágil, não tem nenhum predador natural.

Seu cardápio favorito são antas, capivaras e jacarés, mas também pode incluir predar o tamanduá. Costuma sair para caçar no final da tarde e à noite.

O ICMBio estima que existam apenas cerca de 10 mil onças-pintadas no Brasil. Cada uma delas pode ocupar uma área de até 260 quilômetros quadrados.

Já o tamanduá é uma das espécies mais antigas da América Latina, com mais de 50 milhões de anos, explica Flávia Miranda. "São fósseis vivos", diz ela.

O bicho é bem mais leve que a onça-pintada, pesando entre 30 e 40 quilos. Mas tem porte semelhante. Pode medir mais de 2 metros de comprimento, contando a extensa cauda repleta de pelos longos, à semelhança de uma bandeira hasteada - por isso, seu nome.

Sua dieta alimentar são insetos. Por dia, pode chegar a comer cerca de 30 mil cupins ou formigas. A força da pata dianteira e as garras com de 8 a 10 centímetros servem para arrebentar cupinzeiros.


"O tamanduá não tem dente, então cuida da garra com todo o carinho e só usa para se defender ou para achar cupinzeiro ou formigueiro", diz Flavia Miranda.

 

 

Autor: Por BBC
Data: 05/01/2019
Noticias da Sessão: Meio Ambiente
» Tempo seco e calor: Três bairros lideram as queimadas na zona urbana em Cuiabá
» Desmatamento: Primeira fiscalização com novo sistema de monitoramento gera R$ 7,5 milhões em multas
» Municípios com maior número de queimadas tiveram as maiores taxas de desmatamento em 2019, diz Ipam
» Ministro afirma que parte dos incêndios é intencional
» Parque Nacional: Incêndio atinge Chapada há 6 dias e destrói área de 30 km
» Fim das sacolas dos supermercados impõe mudança de hábitos aos cidadãos
» Brasil é o país que mais altera leis que deveriam proteger a Amazônia, indica estudo
» Extensa programação: 15ª Semana do Meio Ambiente tem início com caminhada no Parque Mãe Bonifácia
» França bane uso de fungicida epoxiconazol por preocupações com saúde
» Relatório aponta mais impactos negativos do plástico no meio ambiente e na saúde humana
» Ibama flagra extração ilegal de madeira em terra indígena e polícia prende 12 pessoas em MT
» Desmatamento diminui 77% da Amazônia em MT em março de 2019, diz governo
» Mudanças climáticas abalaram a vida de 62 milhões só no ano passado, diz relatório da OMM
» Fim de semana produtivo para o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental
» Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental apreende 173 palanques de madeira durante Operação Ágata em Cáceres-MT*
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.