Cuiabá 22/05/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Agronegocio
Setor descarta exemplo de MS para taxar o agronegócio

A avaliação é do economista Vivaldo Lopes, que tem apresentado teses em defesa do setor produtivo.


 

Mato Grosso do Sul não é um bom exemplo para ser copiado quando o assunto é a taxação do agronegócio. A avaliação é do economista Vivaldo Lopes, que tem apresentado teses em defesa do setor produtivo. Segundo ele, o Estado vizinho produz menos e viveu uma industrialização que nada tem a ver com a produção agrícola.  

 

Leia também - Cobrança do 13º na Justiça pode 'parar' Mato Grosso, avalia Gallo

 

O exemplo de Mato Grosso Sul é defendido pelo deputado estadual Wilson Santos (PSDB), que propõe a criação de uma lei nos moldes da já existe lá. Segundo o tucano, isso poderia aumentar a arrecadação em Mato Grosso em até R$ 800 milhões por ano. Na legislação do Estado vizinho, empresas do agro devem destinar para o mercado interno o correspondente a 50% do que é exportado. Em Mato Grosso, atualmente, não existe essa obrigação.   

 

“Mato Grosso produz 33 bilhões de toneladas de soja, enquanto o Estado vizinho somente 9. Mesmo tendo essa lei de cotas de exportação desde 2005, não deu progresso”, garante Vivaldo, segundo quem o aumento de arrecadação de Mato Grosso do Sul nos últimos anos ocorreu em função da industrialização mais acelerada. “E essa industrialização não está vindo da agroindustrialização, mas sim da maior fábrica de celulose da América Latina, montada pelo grupo JBS, em Três Lagoas. Outros dois grandes concorrentes também montaram na mesma cidade, produzindo emprego, renda e arrecadação de ICMS”, completou.    

 

A proposta de taxar o agronegócio surgiu durante a campanha eleitoral deste ano e deve ser extremamente debatido em 2019. Antes do recesso parlamentar, a Assembleia Legislativa criou uma Câmara Setorial Temática (CST) para discutir o assunto durante seis meses. No período, de acordo com Wilson Santos, será preciso ouvir todos os atores envolvidos, inclusive ir até Mato Grosso do Sul, Goiás, Tocantins e Brasília para buscar informações de como procedem os estados vizinhos.   

 

Autor: GD - Da assessoria
Data: 28/12/2018
Noticias da Sessão: Agronegocio
» Potencial de exportação de carne em maio é de 150,4 mil t, diz Agrifatto
» Mais de 1,5 mil produtores rurais fazem manifestação e entregam carta de reivindicação ao governo
» Demanda por suínos aumenta no Brasil
» BRF vai suspender abate de frango em unidade no Paraná
» Orgânicos geram R$ 4 bilhões de faturamento no ano passado
» Celulose já é o terceiro produto mais exportado pelo Paraná
» Queda nos embarques de janeiro atingiu todas as carnes
» Para cobrir rombo, Estados elevam tributação sobre agronegócio
» Safra mundial de soja será menor em 2018/19
» Pecuaristas de Mato Grosso são os que mais pagam por abate de animais após aumento no Fethab
» Produtores gaúchos começam a colher arroz da safra 2018/2019
» Cafeicultores querem acordo com UE para expandir mercado
» Renda agropecuária de Mato Grosso do Sul deve subir aproximadamente 5%
» Setor descarta exemplo de MS para taxar o agronegócio
» Mato Grosso atinge recorde na exportação de farelo de soja
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.