Cuiabá 17/12/2018
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Politica
Taxação do Agro: Botelho: "Não podemos matar nossa galinha dos ovos de ouro"

Presidente da Assembleia defende que agronegócio deveria contribuir mais para Estado sair da crise


 

O deputado estadual Eduardo Botelho (DEM), presidente da Assembleia Legislativa, afirmou nesta quinta-feira (29) que o agronegócio deveria contribuir mais para que Mato Grosso saia da crise econômica. Ele, no entanto, diz que qualquer medida que implique em maior oneração deve ser precedida de ampla discussão. E afirmou ainda que o setor precisa ser valorizado. 

 

“Não podemos assassinar nossa galinha dos ovos de ouro. Demonizar o setor? Jamais! Se tem alguém que merece respeito neste país é quem produz alimento, quem produz comida”, afirmou, durante a abertura de uma audiência pública na Assembleia convocada para discutir a taxação do agro.

 

“Não podemos fazer a sociedade consumidora de fibra, proteínas e faminta por mais impostos odiar a única fonte segura que nos faz grande. Pior ainda  é transformar em vilão os homens e mulheres que tiram do solo a matéria-prima que faz o vestuário e aquece os corpos daqueles que vivem fora dele”, afirmou o democrata.

 

“Transformar em bandido aqueles que alimentam as  bocas famintas? Jamais. Por isso defendo o debate. Acredito ser inevitável encontrar novas soluções para resolver problemas crônicos de nosso Estado”.

 

“É evidente que existe um Mato Grosso antes do agro e um Mato Grosso depois do agro. É inegável! Nosso Estado, sem as atividade agrícolas, teria muita dificuldade de existir e prosperar. Mas, infelizmente, essa riqueza não chegou a todos os mato-grossenses. Sequer chegou a todos os municípios”, afirmou o presidente da Assembleia.

 

“Nossa gente é carente de saúde, de educação, de estradas, de pontes, de transporte, o próprio produtor do estado poderá lucrar mais, ter mais competitividade com seus produtos, não passar por tantas dificuldades de transporte, logística e segurança. A arrecadação do Estado cresce todo ano e mesmo assim não consegue atender as demandas. Os problemas e as necessidades crescem muito mais e são maiores que a arrecadação atual”.

 

Segundo o presidente da Assembleia, muita coisa mudou desde que a Lei Kandir – que isenta do ICMS as commodities de exportação – foi aprovada em 1996. A realidade do Estado hoje, segundo ele, é outra, totalmente diferente da de 22 anos atrás.

 

“Tanto que muitos daqueles desbravadores pioneiros já venderam suas terras, que já foram agregadas a grandes grupos econômicos. Os incentivos e a desoneração para o setor produtivo foram importantes e justos. Mas não podemos esquecer que toda a sociedade contribuiu, do mais humilde ao mais abastado. Isso foi há 22 anos. A realidade hoje mudou muito”, disse.

 

Segundo o deputado, nos últimos anos a elite econômica mato-grossense ficou ainda mais rica. “Temos uma elite que está rica e que cada vez mais concentra riqueza. E do outro lado temos a esmagadora maioria da sociedade, que é pobre. E assim vai ficando mais pobre, por estar ficando mais longe do topo da pirâmide econômica. Nossa proposição não é para empobrecer o rico e sim para diminuir a distância entre estes dois extremos,dando melhores condições para que a esperança e a certeza de dias melhores sejam realidade para toda nossa gente”, disse.

 

Em sua fala, o deputado apresentou um cálculo das perdas do Estado resultantes da Lei Kandir e dos incentivos fiscais, que chegaram a R$ 10 bilhões por ano, enquanto o Fethab 1 e 2 arrecadam cerca de R$ 1 bilhão ao ano. Citando o economista Vivaldo Lopes, ele questionou se não é possível que o agro contribua com R$ 4 bilhões ao ano para o Estado. 

 

Autor: Midia News - DOUGLAS TRIELLI DA REDAÇÃO
Data: 29/11/2019
Noticias da Sessão: Politica
» Botelho: “Não vai ter como aumentar duodécimo de nenhum Poder”
» Respostas a Taques: “Não sou marinheiro de primeira viagem na administração pública”
» Esclarecimento: Não fiz nada de errado, diz Flávio Bolsonaro sobre o caso do ex-assessor
» Com ressalvas: TRE aprova contas de Mendes, mas pede devolução de R$ 100 mil
» Pedido de Mendes: “Eu não tenho o compromisso de renovar o Fethab 2”, diz Taques
» Improbidade: Vereadores de Chapada votam pedido de afastamento da prefeita Thelma de Oliveira - veja documento
» Governo confirma escalonamento e paga 90% dos servidores na próxima segunda-feira
» Esquema milionário: Ex-vereador de Cuiabá e mais oito são condenados à prisão
» Com aprovação de Leis: Botelho afirma que Mendes terá apoio da AL para cortar gastos e equilibrar contas
» Dívida de 91 milhões: Mauro Mendes recorre ao TCE para barrar despesas na saúde criadas por Pedro Taques
» Juiz condena oficial de Justiça que não cumpriu mandado contra Wilson Santos
» No Supremo: Assembleia recorre contra decisão que livra Taques de pagar emendas impositivas
» Taxação do Agro: Botelho: "Não podemos matar nossa galinha dos ovos de ouro"
» Para esclarecer as controvérsias: Câmara vai votar projeto de Bezerra que muda regras em audiências trabalhistas
» Valores recebidos do TJ: Selma Arruda pode ter utilizado verbas indevidas na pré-campanha ao Senado
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.