Cuiabá 15/07/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Meio Ambiente
Aripuanã: Departamento que regula mineração diz que garimpo é forte agressão ambiental

Cerca de de 6 mil exploram garimpo ilegal em Aripuanã há cerca de 1 semana e a busca por enriquecimento rápido, na corrida do ouro, atrai até estrangeiros


 

Mediante o garimpo ilegal que atraiu milhares para um pé de serra em Aripuanã (a 1,2 km de Cuiabá), o Departamento Nacional de Exploração Mineral (DNPM), que regula o setor, emitiu nota nesta segunda (5), considerando as escavações "uma violenta agressão ambiental", sem qualquer licenciamento. O DNPM afirma também que o ouro, na forma como se encontra na área, em rocha primária, é não garimpável, de acordo com a lei vigente, a não ser com concessão.

O garimpo fica na fazenda Dardanellos. A concessão da área, dentro da fazenda, para exploração mineral é do grupo Votorantim, uma multinacional brasileira que pesquisa o subsolo na região amazônica há mais de 2 décadas. Com o proprietário da fazenda, Luiz de Almeida Saliez, o grupo tem 23 anos de contrato.

Na nota o DNPM ressalta que somente a autorizada pode explorar, caso contrário é "usurpação", ou seja, roubo de patrimônio público.

Confira a íntegra da nota

Sobre a atividade de “Garimpo” no Município de Aripuanã, neste Estado do Mato Grosso, noticiada nos diferentes meios de comunicação, inclusive nos instrumentos das redes sociais, temos a informar o que segue:

1. As pessoas que apareceram exercendo a atividade extrativa mineral noticiada, não têm a autorização do Departamento Nacional de Produção Mineral para exercerem a atividade; 
2. Toda e qualquer atividade de extração mineral no País sem título autorizativo é caraterizada como Usurpação do Patrimônio Mineral da União, uma atividade ilegal à luz da legislação mineral brasileira;
3. O DNPM é a Autarquia Federal, vinculada ao Ministério de Minas e Energia, aonde as áreas são obrigatoriamente requeridas, por brasileiros e empresas sobre as leis brasileiras, para obterem autorização da União para realizarem a pesquisa e a lavra de recursos minerais;
4. A área invadida já se encontra titulada a terceiros com Alvará de Pesquisa Mineral outorgado, algumas já com pesquisa mineral concluída, encontrando-se na fase de requerimento de lavra em análise para outorga de portaria de lavra;
5. Ademais, na invasão, além da usurpação do bem da União, configura-se uma violenta agressão ambiental, com utilização de máquinas escavadeiras/carregadeiras, também sem qualquer licenciamento ambiental do Estado;
6. Está agendada uma reunião para às 17 horas da próxima quinta-feira, dia 08/11/2018, nas dependências da Câmara Municipal de Aripuanã, convocada pela Superintendência do DNPM/MT, em comum acordo com a Prefeitura de Aripuanã, com a participação de representantes dos órgãos envolvidos, já elencados, representante da empresa titular do direito minerário, proprietário das terras em pesquisa mineral, lideranças locais, inclusive de garimpeiros, na busca de uma solução pacífica e imediata de paralisação da atividade em áreas já tituladas ou livres sem autorização de Lavra;
7. Cabe esclarecer ainda, que o minério cuja extração foi noticiada, não se encontra nas formas de ocorrência garimpável à luz da legislação brasileira. Trata-se de minério em rocha primária, cuja autorização para extração pressupõe a anterior realização de pesquisa mineral.

8. A Permissão de Lavra Garimpeira-PLG para minério de ouro, à luz da legislação brasileira, só pode ser outorgada nos casos aonde ele ocorre em colúvios, elúvios e aluviões, situação onde ele se apresenta já desagregado da rocha mãe hospedeira. Não é o caso em questão, cujo minério de ouro está alojado na rocha primária;
9. Por fim, informamos que verificada a situação dos direitos minerários prioritários nas bases de dados deste órgão gestor dos recursos minerais brasileiros, na região noticiada e, constatada a ilegalidade da extração mineral noticiada, de ofício, esta Superintendência do DNPM no Estado do Mato Grosso, comunicou tal situação ao Ministério Público Federal em Cuiabá, à Policia Federal e à Secretaria Estadual de Meio Ambiente.

Cuiabá, 5 de novembro de 2018.



Serafim Carvalho Melo 

Superintendente do DNPM-MT 

Autor: RDNew: Keka Werneck
Data: 06/11/2018
Noticias da Sessão: Meio Ambiente
» Fim das sacolas dos supermercados impõe mudança de hábitos aos cidadãos
» Brasil é o país que mais altera leis que deveriam proteger a Amazônia, indica estudo
» Extensa programação: 15ª Semana do Meio Ambiente tem início com caminhada no Parque Mãe Bonifácia
» França bane uso de fungicida epoxiconazol por preocupações com saúde
» Relatório aponta mais impactos negativos do plástico no meio ambiente e na saúde humana
» Ibama flagra extração ilegal de madeira em terra indígena e polícia prende 12 pessoas em MT
» Desmatamento diminui 77% da Amazônia em MT em março de 2019, diz governo
» Mudanças climáticas abalaram a vida de 62 milhões só no ano passado, diz relatório da OMM
» Fim de semana produtivo para o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental
» Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental apreende 173 palanques de madeira durante Operação Ágata em Cáceres-MT*
» Baleia é encontrada morta com 40 quilos de plástico no estômago
» Tailândia enfrenta difícil caminho para deixar dependência de plástico
» Deputados apresentam sete projetos para alterar política de barragens
» Após denúncia: PM e Juvam apreendem mais de 400kg de pescado irregular
» Fernando de Noronha já tentou vetar o plástico descartável em 1996; novo decreto prevê multa a partir de abril
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.