Cuiabá 23/01/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Politica
Selma Arruda deixará a política se for derrotada e confirma 'divergências' com Galli

Ao Gazeta Digital, a juíza aposentada, candidata ao Senado, confirmou ter divergências com Victório Galli, presidente do PSL, e fala em abandonar a política se for derrotada.


 

Candidata ao senado pelo PSL, a juíza aposentada Selma Arruda, afirmou que deixará a política, caso não seja eleita em 7 de outubro. "Eu saio da política. Não vou continuar na política partidária de forma alguma", disse Selma ao Gazeta Digital.

A declaração é em decorrência às divergências internas com o presidente da sigla, deputado federal Victório Galli (PSL), por conta do seu posicionamento de romper com a coligação liderada pelo governador Pedro Taques (PSDB).

Porém, Selma acredita que sendo eleita, juntamente com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL/RJ), "haverá um alianhemnto dentro do partido e esses problemas serão resolvidos", pontua.

Ela também rebateu as recentes declarações de Galli, após ele negar que teria sido chantageado e obrigado a assinar uma ata da coligação, da qual destinou apenas 7 segundos para o programa de rádio e televisão da candidata.

"Infelizmente a política no Brasil é feita na moda antiga, com pouca sinceridade. O que a gente declarou na imprensa, através do meu advogado, foi o que o próprio deputado federal Victório Galli (PSL) declarou em uma reunião do PSL, onde estive no começo dela e depois tive que sair por questões de agenda de campanha. Mas ele disse isso na frente de várias pessoas. De que foi compelido e obrigado [a assinar]. E aí perguntamos mas cadê a ata? E ele disse que não sabia e que assinou sem ler. Então foi ele que disse e agora diz que não", afirmou.

A juíza aposentada também sugere que poderá escrever um livro dos bastidores da política, da qual participou nos últimos meses. "Talvez escrevo um livro depois das eleições, colocando os pingos nos is".

Sobre uma possível saída do PSL, pós-eleição, a candidata descartou. "A eleição vai acabar depurando todos os partidos. E isso vai acabar mudando as posturas diferentes depois da eleição. Não penso sair do PSL, sou uma soldada do Jair Bolsonaro e que dar sustentação para ele na presidência da República. E esses desentendimentos fazem parte deste momento tenso da política", finaliza. 

 

Autor: Pablo Rodrigo, repórter do GD
Data: 12/09/2018
Noticias da Sessão: Politica
» Insolência das contas: Veja benefícios que MT teria com decreto de calamidade financeira
» Lúdio vê crise criada por governo e cita renúncias de R$ 4 bilhões
» Nova estrutura: Jornalista Mauro Camargo é oficializado secretário adjunto de Comunicação
» Governo Mendes: Projeto da LDO entra em pauta na sessão desta terça da AL
» Diário Oficial: Mendes publica exoneração de 240 servidores de 15 pastas; veja a lista
» Mistério Tucano: Wilson Santos promete solução para zerar déficit do Estado
» LRF Estadual: Projeto cria poupança para investimento e veta bomba a sucessor
» Proposta que facilita posse de armas é enviada a Bolsonaro; saiba o que prevê
» Projeto Pronto: Mendes diz que novo Fethab destinará R$ 500 mi à infraestrutura
» Emenda Constitucional: Previdência, foro e aborto: saiba quais PECs Congresso pode votar
» Sob análise: Primeira-dama estuda reformulação do Núcleo de Ações Voluntárias
» Caixa vazio: Mendes escalona a folha e pagamento será finalizado no dia 30
» Cúpula definida: Coronel Assis é o novo comandante-geral da Polícia Militar
» Descentralização: Nomeado procurador-geral, Borges planeja expansão do Gaeco
» Casa dos Horrores: Salgadinhos vão custar R$ 20 mil durante recesso na Câmara Municipal de Cuiabá
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.