Cuiabá 22/02/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Cidades
Danos morais: Energisa é condenada em R$ 6 mil por não religar energia de consumidor

Decisão da Justiça determina que a empresa pague indenização por danos morais a um consumidor que ela se recusava a religar a energia e fazia exigências desnecessárias.


 

A juíza Paula Pinheiro de Souza, do 2º Juizado Especial Cível de Cuiabá, condenou a concessionária de energia elétrica em Mato Grosso, Energisa S/A, a pagar indenização no valor de R$ 6 mil a título de danos morais ao policial civil Jeovanio Vidal, por se negar a transferir a titularidade de uma conta de energia.

Na ação, o policial afirma ser o proprietário de um imóvel no bairro Nova Conquista, em Cuiabá, que é constantemente colocado para aluguel. Porém, o último inquilino deixou o imóvel com uma dívida de R$ 1,1 mil junto à concessionária de energia referente a 5 meses e isso causou o corte no fornecimento da energia elétrica.

Leia mais - Energisa exige escritura para religar a energia e é condenada na Justiça

Ele afirmou ainda que requereu a transferência da titularidade da unidade consumidora para o nome da nova locatária, assim como a religação da energia. No entanto, a Energisa se negou, sob o argumento de que os débitos deveriam ser quitados e de que deveria ser apresentada a escritura pública para comprovar a propriedade do imóvel.

Contudo, o imóvel não possui escritura pública própria, o que impediu Jeovanio Vidal de dar andamento ao procedimento na Enersiga para religar a energia. Por isso, Jeovanio recorreu à Justiça e obteve a tutela antecipada que autorizou apenas a religação imediata da energia. Além disso, houve uma audiência de conciliação entre ele e a empresa, sem sucesso.

Em sua defesa, a Energisa reafirmou que o procedimento para ligação e transferência de unidade consumidora é um pedido restrito ao titular, mediante apresentação de documentos que comprovem a posse ou propriedade do imóvel.

Ao analisar o caso, a juíza Paula Pinheiro esclareceu que o consumidor deve ser cobrado pelos débitos que efetivamente contraiu, pois a responsabilidade pessoal daquele que ocupa o imóvel não pode ser repassada ao imóvel e seu proprietário.

“Se o débito pertence a inquilino anterior, a ele devem direcionar os procedimentos de cobrança. Ademais, não pode a Ré condicionar o pagamento de débitos de terceiro, para efetivar a transferência da unidade consumidora”, justificou.

Ainda segundo a magistrada, a Energisa violou a dinâmica da relação de consumo, bem como cometeu práticas abusivas, pois exigiu do consumidor “vantagens manifestamente excessivas”. Por essa razão, a magistrada manteve a decisão anterior de religar a energia, bem como condenou a concessionária de energia ao pagamento de R$ 6 mil, por danos morais.

“Tal quantia certamente assegura o caráter repressivo e pedagógico da indenização e, também, não pode ser considerada elevada bastante a configurar enriquecimento sem causa dos Autores”, escreveu.

Outro lado - Procurada, a assessoria de imprensa da Energisa informou que a empresa vai averiguar o caso para só então decidir se irá se manifestar sobre o assunto.

 

Autor: Karine Miranda, repórter do GD
Data: 26/06/2018
Noticias da Sessão: Cidades
» Foi salvo: Bebê de um ano é salvo por policias durante afogamento em piscina
» Curso de Medicina: MPF apura suposta fraude em cotas para ingresso na UFMT
» Uber recebe US$ 50 bi em corridas em 2018, mas lucro ainda não aparece
» Preço médio da gasolina nas bombas tem menor valor desde janeiro de 2018, diz ANP
» Ameaça e Boatos: MPF move ação para suspender licença de barragem em MT
» Imprudência em Cuiabá: Câmera flagra acidente durante racha na Avenida Miguel Sutil
» Indenização: Justiça manda Caixa devolver R$ 34 mil a cliente por movimentações fraudulentas
» Cuiabá: Justiça autoriza funcionamento de novo Pronto-Socorro
» Após tragédia: Agência fará vistoria em Manso e mais 12 barragens em MT
» Confirmado: Tarifa de água terá reajuste de 4,6% em Cuiabá a partir de março
» Relatórios de Conselhos: Hospitais estão com medicamentos vencidos e superlotados
» Número de mortos em Brumadinho sobe para 110, e 238 estão desaparecidos
» Concessão: Investidores da Europa e dos EUA disputam aeroportos em MT
» País tem quase 200 barragens de mineração com alto potencial de dano
» Falta de combustível: Sem pagamento de fornecedor, viaturas da segurança voltam a parar
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.