Cuiabá 23/07/2018
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Agronegocio
Frango e suíno subvertem curva sazonal de preço das carnes

É notório que em 2018 os preços de frango, suíno e boi vivos permanecem em níveis baixíssimos.


 

Ou pelo menos vinham. Pois o movimento dos caminhoneiros em maio passado (com extensão para junho corrente) faz, agora, com que o frango e o suíno vivos subvertam a curva sazonal. Já o boi em pé, menos afetado, segue sua marcha natural.

O primeiro gráfico abaixo mostra como, na média dos últimos 18 anos (2000 a 2017) se comportaram, ao nível do produtor, os preços dos três animais (preço médio do ano anterior = 100). À curva anual foi acrescentado o desempenho dos seis primeiros meses de 2018 (até 13 de junho).

 

Como se constata, neste ano, até abril, o desempenho esteve bem aquém da média registrada em quase duas décadas. Em contrapartida, porém, a reversão da curva ocorreu mais cedo, em maio. E em junho corrente, antes mesmo de finda a primeira quinzena, registra crescimento agudo.

 

Efeito, claro, da paralisação geral a que o Brasil foi submetido entre o final de maio e o início de junho. Mas, como aponta o segundo gráfico abaixo, esse efeito vem sendo determinado apenas pelo frango e pelo suíno. Ou seja: o boi ainda permanece com cotação decrescente.

 

A valorização mais significativa (como se esperava, porque foi o produto mais afetado) é a do frango. Que, no momento, acumula ganho de mais de 16% em relação ao preço médio registrado em 2017.Ressalte-se, porém, que esse é um ganho absolutamente pontual, pois está restrito, apenas, ao mês de junho.

 

Traduzindo, mesmo com a valorização recente, o preço do frango vivo neste semestre alcança valor médio (cerca de R$2,45/kg) mais de 5% inferior à média registrada em 2017 (pouco mais de R$2,58/kg). E que, por sua vez, ficou 10% aquém da média registrada em 2016 (perto de R$2,90/kg).

 

Em outras palavras, ainda que opere em condições iguais ou piores que as de dois anos atrás, o frango vivo permanece com uma remuneração média mais de 15% inferior à de 2016. Assim, não serão os (apenas aparentes) ganhos do momento que irão reverter os prejuízos até aqui acumulados pelo setor e que cresceram uma enormidade com o movimento dos caminhoneiros.

 

Autor: Portal do Agronegócio
Data: 18/06/2018
Noticias da Sessão: Agronegocio
» PR: abates de frango têm queda de 23,5% devido a greve dos caminhoneiros
» Conseleite-SC: Preço pago ao produtor deve subir 11,2% em junho
» Frango e suíno subvertem curva sazonal de preço das carnes
» Soja transgênica modernizou a economia brasileira
» Tabela da ANTT dobrou preço do frete e deverá ser alterada, diz Blairo Maggi
» Confinamento de bovinos crescerá em Mato Grosso, prevê IMEA
» Coreia do Sul abriu mercado para a carne suína do Brasil, diz ministro
» Na Turquia, Blairo Maggi trata da exportação de carne bovina congelada e bois vivos
» IBGE estima alta de 32,5% na produção de trigo
» Céleres eleva estimativa de safra de soja do Brasil a recorde de 117,8 mi t
» Mato Grosso exporta us$ 5,2 bilhões em produtos agropecuários nos primeiros quatro meses do ano
» Banco do Brasil prorroga parcelas de custeio e investimento para avicultura e suinocultura
» Carne de frango: em março, o maior volume em 14 meses
» Brasil vai ampliar exportação de carne para China e iniciar embarques à Indonésia e Coréia do Sul, disse Maggi
» Empresas do Agronegócio conseguem financiamento de R$ 199 milhões para investimentos em Mato Grosso
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.