Cuiabá 22/06/2018
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Cidades
Enterrada viva: Por falta de oxigenação, bebê indígena pode ter sequelas graves

Estado da recém-nascida é considerado grave, mas estável; médicos tratam infecção generalizada


 

A recém-nascida enterrada viva pela bisavó em Canarana (838 km de Cuiabá) corre o risco de ter sequelas graves em razão da falta de oxigenação ao longo das 7h em que permaneceu embaixo da terra.

 

Conforme informações do diretor da Santa Casa de Misecórdia, Antônio Preza, a menina foi diagnosticada com um quadro de anoxia grave – falta de oxigênio no cérebro. 

 

“Isso pode determinar uma sequela grave, mas isso só saberemos com o desenvolvimento da criança”, explicou o médico.

 

O bebê, que é da etnia Kamayurá, chegou em Cuiabá na noite desta quarta-feira (6), e foi internada na Santa Casa de Misericórdia.

 

O problema atual é infecção generalizada. Ela foi enterrada, ficou horas respirando terra, e por isso o quadro de infecção – isso é que estamos tratando agora

De acordo com boletim médico, o bebê está com infecção generalizada, distúrbio de coagulação e apresentou uma hemorragia digestiva - que exigiu uma transfusão de sangue nesta quinta-feira (7).

 

O diretor explica que, agora, a prioridade é tratar a infecção generalizada da criança. “O problema atual é infecção generalizada. Ela foi enterrada, ficou horas respirando terra, e por isso o quadro de infecção. Isso é o que estamos tratando agora”, disse à reportagem. 

 

Segundo a unidade hospitalar, serão necessárias 24h de observação para emitir um novo boletim médico.

 

O caso

 

Segundo a denúncia, uma indígena de 15 anos teria dado à luz por volta do meio dia na terça-feira (5). O bebê foi enterrado no terreno da residência da família.

 

No local, a bisavó da garota confirmou o ato, dizendo que a criança teria nascido morta por ser prematura. Ela alegou que não comunicou a ninguém por ser este um costume da etnia.

 

Uma enfermeira da Casai (Casa de Saúde do Índio), ao assumir o expediente, soube do caso e avisou a polícia e o chefe da unidade. Em decorrência do tempo, o local foi isolado pela equipe policial para o trabalho da perícia técnica. Mas, ao escavarem, os policias ouviram o choro do bebê.

 

 



 

Autor: Midia News - CÍNTIA BORGES DA REDAÇÃO
Data: 07/06/2018
Noticias da Sessão: Cidades
» Pinheiro implanta primeira usina de energia solar em escolas municipais
» Taques debocha de Silval Barbosa ao apontar 'avião símbolo de quadrilha'
» Bebê indígena enterrado vivo passa por processo para respirar sem aparelhos
» Prefeitura de Cuiabá abre seletivo com 4 mil vagas e salários de até R$ 3,2 mil
» Prefeito reconhece empenho de trabalhadores nas obras de pavimentação do Altos da Serra I e II e Dr. Fábio I e II
» Embriaguês ao volante: Após matar jovem atropelada, produtor rural paga R$ 100 mil de fiança
» Taques entrega obras e inaugura hangar em Várzea Grande
» Fórum debate políticas públicas e auxilia na construção do Plano de Ação pelos Direitos das Crianças e Adolescentes
» Primeira-dama e equipe de voluntários entregam mais de 300 cobertores pela Capital
» Colisão entre carros deixa duas pessoas mortas na estrada da Guia
» Mais de 2 mil moradores do Santa Amália serão beneficiados com a 24ª edição do Mutirão da Limpeza
» Politec analisa água contaminada e suspeita é de sabotagem no Restaurante Universitário
» Prefeitura investirá R$ 51 milhões em obras de mobilidade urbana na Capital
» Novos pontos de ônibus serão implantados em parceria com a iniciativa privada
» Plástica para todos: Laudo aponta que morte pode ter ocorrido por retirada excessiva de gordura
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.