Cuiabá 20/01/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Cidades
Enterrada viva: Por falta de oxigenação, bebê indígena pode ter sequelas graves

Estado da recém-nascida é considerado grave, mas estável; médicos tratam infecção generalizada


 

A recém-nascida enterrada viva pela bisavó em Canarana (838 km de Cuiabá) corre o risco de ter sequelas graves em razão da falta de oxigenação ao longo das 7h em que permaneceu embaixo da terra.

 

Conforme informações do diretor da Santa Casa de Misecórdia, Antônio Preza, a menina foi diagnosticada com um quadro de anoxia grave – falta de oxigênio no cérebro. 

 

“Isso pode determinar uma sequela grave, mas isso só saberemos com o desenvolvimento da criança”, explicou o médico.

 

O bebê, que é da etnia Kamayurá, chegou em Cuiabá na noite desta quarta-feira (6), e foi internada na Santa Casa de Misericórdia.

 

O problema atual é infecção generalizada. Ela foi enterrada, ficou horas respirando terra, e por isso o quadro de infecção – isso é que estamos tratando agora

De acordo com boletim médico, o bebê está com infecção generalizada, distúrbio de coagulação e apresentou uma hemorragia digestiva - que exigiu uma transfusão de sangue nesta quinta-feira (7).

 

O diretor explica que, agora, a prioridade é tratar a infecção generalizada da criança. “O problema atual é infecção generalizada. Ela foi enterrada, ficou horas respirando terra, e por isso o quadro de infecção. Isso é o que estamos tratando agora”, disse à reportagem. 

 

Segundo a unidade hospitalar, serão necessárias 24h de observação para emitir um novo boletim médico.

 

O caso

 

Segundo a denúncia, uma indígena de 15 anos teria dado à luz por volta do meio dia na terça-feira (5). O bebê foi enterrado no terreno da residência da família.

 

No local, a bisavó da garota confirmou o ato, dizendo que a criança teria nascido morta por ser prematura. Ela alegou que não comunicou a ninguém por ser este um costume da etnia.

 

Uma enfermeira da Casai (Casa de Saúde do Índio), ao assumir o expediente, soube do caso e avisou a polícia e o chefe da unidade. Em decorrência do tempo, o local foi isolado pela equipe policial para o trabalho da perícia técnica. Mas, ao escavarem, os policias ouviram o choro do bebê.

 

 



 

Autor: Midia News - CÍNTIA BORGES DA REDAÇÃO
Data: 07/06/2018
Noticias da Sessão: Cidades
» Fatalidade: Trabalhador rural morre após ser atingido por fio de arame no peito
» Criminosos detonam explosivos em viaduto na 10ª noite de ataques no Ceará
» Impasse na Saúde: Secretário se reúne com médicos e diz que Samu não vai parar
» Tragédia na Walley: Córneas de cantor sertanejo devem ser doadas para mato-grossense
» MT recebe remessa de papel moeda e emissão de RGs volta a ser feita após mais de 1 mês suspensa
» Reajuste de R$ 4,10: Preço da passagem de ônibus sobe também em Várzea Grande
» Prefeitura de Nova Monte Verde (MT) abre inscrição de processo seletivo com salário de até R$ 12,6 mil
» Som alto: Após reclamações, Prefeitura multa bar na Praça Popular
» Acidente fatal: Homem de 46 anos morre ao ser atropelado na Avenida Beira Rio
» Vítima de sequestro: Mulher escapa do ex-marido, mas tem filho levado embora
» Vidas perdidas: Imprudência e bebedeira causaram acidentes e mortes em 2018
» Chuva causa deslizamentos e destrói casas em Cuiabá, veja fotos
» IPVA fica em média 3,21% mais barato em 2019 em MT
» Morre aos 94 anos o empresário Ueze Elias Zahran
» Balanço: Excesso de velocidade ainda é a principal causa de mortes nas rodovias federais
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.