Cuiabá 12/12/2018
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Agronegocio
Confinamento de bovinos crescerá em Mato Grosso, prevê IMEA

Número de bovinos confinados em 2018 será maior levemente maior em relação ao ano passado


 

De acordo com o levantamento do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), a alta chegará a 1,95% este ano. Passará de 694,145 mil animais para 707,680 mil, de um ano para outro.

Invaldo Weis, pecuarista na cidade de Santa Carmem (a 500 km de Cuiabá), é um dos que pretende confinar. Incluirá no sistema 750 animais, como faz anualmente no período da seca. “Vou confinar a partir de junho e manter os animais até o fim de setembro, por um período de 90 a 100 dias. É o chamado confinamento estratégico, que retira os animais para abate do pasto para não perder a qualidade”, explica.

 

O objetivo é preservar o pasto para os demais animais que não irão para abate, como vacas paridas e bezerros, além de engordar aqueles que irão para o abate. “No pasto, o animal ganha cerca de 700 gramas por dia. No confinamento o ganho é de 1,8 kg por dia, em média”, informa Weis. O produtor afirma que só não confina mais animais porque o custo é alto.

 

A Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) destaca que no ano passado a intenção de confinar era maior do que o número registrado no fim do ano. Em abril de 2017, produtores pretendiam confinar 701,850 mil animais, mas o ano encerrou com 694,145 mil animais confinados.

 

Para o diretor-executivo da Acrimat, Luciano Vacari, os pecuaristas estão calculando os custos e a tendência de preços da arroba para tomar a decisão. “O confinamento é atividade que exige mais planejamento para que seja rentável dentro da pecuária. Com alta dos insumos e instabilidade no preço da arroba, os produtores não devem investir na ampliação do plantel confinado”, prevê.

 

O planejamento inclui o cálculo de custo, do preço no mercado futuro e a aquisição dos insumos antecipadamente, de acordo com a Acrimat. O milho e os derivados de soja estão mais caros, enquanto a torta de algodão está 52% mais barata. Outra alternativa este ano será o DDG (derivado no milho processado na fabricação de etanol). Mas, o fator que mais tem pesado na tomada de decisão é o preço da arroba do boi, que teve desvalorização de 1,4% de janeiro para cá. Se comparar com a cotação do mercado futuro, a queda é de 3%.

 

Autor: Portal do Agronegócio
Data: 28/05/2018
Noticias da Sessão: Agronegocio
» Nova fábrica de etanol de milho em MT gerará 1 bilhão de litros
» Exportações do Agro: Isenção de ICMS faz MT deixar de recolher R$ 7 bilhões
» Frigoríficos ainda esperam boa disponibilidade de animais no ano que vem
» Taxação do Agro: “MS produz metade de MT e arrecada quase o mesmo em ICMS”
» Agricultores de MT se animam com vendas de milho para usinas de etanol
» Energia Renovável: Produção e consumo de biocombustíveis no país aumentam em 2018
» Novo Governo: Agronegócio irá defender hoje em Brasília nomes de Blairo e Sachetti para o Mapa
» APPA investe R$ 16 milhões em obras de modernização no Porto de Paranaguá
» Margem de rentabilidade dos grãos recua entre 40% a 50% em 2018
» Guerra comercial já eleva os preços na China
» Guerra comercial de Trump impulsiona setor agrícola do Brasil
» IGC eleva estimativa para safra mundial 2018/19 de soja
» Demanda chinesa deve duplicar plantio de algodão no Brasil
» China substituirá soja dos EUA por produto do Brasil e outros países, diz executivo da Jiusan
» Cargill planeja fábrica de R$ 550 milhões no Brasil
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.