Cuiabá 12/12/2018
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Agronegocio
Coreia do Sul abriu mercado para a carne suína do Brasil, diz ministro

Pelo Twitter, Blairo Maggi destacou que se trata de uma relação comercial de US$ 1,5 bilhão por ano


 

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, anunciou, nesta quinta-feira (17/5) a abertura da Coreia do Sul para a carne suína do Brasil. Em sua página no Twitter, ele destacou que é um mercado de US$ 1,5 bilhão por ano.

“Inicialmente, as exportação sairão de Santa Catarina. Já temos quatro estabelecimentos credenciados”, informou o ministro. Santa Catarina é o único estado brasileiro considerado livre de febre aftosa sem a necessidade de vacinação.

 

Blairo Maggi está em viagem pela Ásia. Em reunião com autoridades da China. Na quarta-feira (16/5), o ministro se disse “animado” com os resultados do encontro e afirmou que novos produtores devem entrar na pauta do comércio com o principal parceiro do Brasil.

Segundo o Ministério da Agricultura, na reunião, o governo chinês se comprometeu a retomar as negociações no âmbito da Subcomissão de Inspeção e Quarentena, paralisadas há dois anos. O órgão aprova condições sanitárias para o comércio de produtos agropecuários.

 

Maggi informou que a China tem interesse em importar arroz, lácteos, farinhas para ração animal e ovos férteis. E quer exportar pescados para o mercado brasileiro. Os dois governos devem negociar ainda condições para o comércio de frutas.

“Estamos avançando na diversificação de nossa pauta de exportações”, disse, de acordo com nota do Ministério da Agricultura.

 

E, pelo Twitter, o ministro disse ainda que o Brasil pediu ao governo chinês a habilitação de 84 frigoríficos para exportação. E que recebeu a confirmação de que a China enviará uma missão técnica para vistoriar as plantas industriais, na intenção de liberá-las.

No setor de carnes, o governo brasileiro quer colocar nas negociações com os chineses o peso do status de país livre de febre aftosa sem vacinação, que será entregue pela Organização Internacional de Saúde Animal (OIE). Na subcomissão de quarentena, pretende discutir o comércio de miúdos suínos e bovinos, carnes com osso e termicamente processadas.

 

A China responde atualmente por 39% das exportações do agronegócio brasileiro, de acordo com dados do Ministério. Em 2017, foram US$ 26 bilhões, com liderança da soja em grão (US$ 20,3 bilhões), e celulose (US$ 2,6 bilhões). As importações de produtos chineses atingiram US$ 1,1 bilhão, principalmente de algodão e produtos têxteis de algodão (US$ 288,2 milhões).

 

Autor: Portal do Agronegócio
Data: 23/05/2018
Noticias da Sessão: Agronegocio
» Nova fábrica de etanol de milho em MT gerará 1 bilhão de litros
» Exportações do Agro: Isenção de ICMS faz MT deixar de recolher R$ 7 bilhões
» Frigoríficos ainda esperam boa disponibilidade de animais no ano que vem
» Taxação do Agro: “MS produz metade de MT e arrecada quase o mesmo em ICMS”
» Agricultores de MT se animam com vendas de milho para usinas de etanol
» Energia Renovável: Produção e consumo de biocombustíveis no país aumentam em 2018
» Novo Governo: Agronegócio irá defender hoje em Brasília nomes de Blairo e Sachetti para o Mapa
» APPA investe R$ 16 milhões em obras de modernização no Porto de Paranaguá
» Margem de rentabilidade dos grãos recua entre 40% a 50% em 2018
» Guerra comercial já eleva os preços na China
» Guerra comercial de Trump impulsiona setor agrícola do Brasil
» IGC eleva estimativa para safra mundial 2018/19 de soja
» Demanda chinesa deve duplicar plantio de algodão no Brasil
» China substituirá soja dos EUA por produto do Brasil e outros países, diz executivo da Jiusan
» Cargill planeja fábrica de R$ 550 milhões no Brasil
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.