Cuiabá 19/04/2018
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Agronegocio
Produtores tiram foco do milho e se voltam para soja

A disputa entre comprador e vendedor se intensifica enquanto o volume de negócios segue praticamente nuloA disputa entre comprador e vendedor se intensifica enquanto o volume de negócios segue praticamente nulo


 

De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, nos últimos dias o avanço dos prêmios de exportação e da taxa de câmbio (acima dos R$ 3,30/US$) destravou as negociações de soja.

 

"Os negócios nos portos já são fechados com frequência acima dos R$ 80/sc, níveis não observados desde 2016. Animados, produtores e intermediários mudam novamente o foco dos negócios para a oleaginosa, deixando a comercialização do milho de lado", comenta o analista da T&F, Luiz Fernando Pacheco.

 

De acordo com ele, a postura retraída vem sendo a melhor estratégia adotada pelos vendedores para sustentar preço. O atraso de comercialização, diz o especialista, ao menos no curto prazo não preocupa.

 

"Muitos se apoiam também nos informes de plantio de safrinha (relatos de atrasos e redução de área) e nas previsões climáticas, que apontam para possíveis geadas para abril (início do desenvolvimento das lavouras de safrinha no Centro-Oeste). Compradores estão, em sua maioria, fora do mercado, aguardando uma entrada mais volumosa de milho de verão. Esta retração e falta de negócios fez os índices da B3 caíram 0,51% e o índice em Campinas cair 0,575 nesta terça-feira", conclui.

 

Fundamentos

Poucas semanas depois de anunciar a duplicação de sua primeira planta, que havia sido inaugurada há apenas cinco meses em Lucas do Rio Verde-MT, a FS Bioenergia divulgou que vai investir R$ 1 bilhão na construção de sua segunda usina, a ser construída em Sorriso-MT. A nova fábrica terá capacidade para armazenar 400 mil tons de milho, sendo utilizadas 1,8 milhão de toneladas/ano.

 

Além do etanol, serão industrializadas 500 mil tons de farelo de milho e 20 mil tons de óleo de milho.

"Os efeitos destes investimentos serão dois: a) maior valorização dos preços do milho local, b) menor disponibilidade para fornecimento para outros estados.

 

O MT era um grande produtor de milho, principalmente safrinha, mas o seu consumo interno era baixo, em relação à sua produção. E um grande fornecedor para outros estados. A iniciativa deste grupo industrial modifica esta tendência", aponta Pacheco.

 

Autor: Portal do Agronegócio
Data: 04/04/2018
Noticias da Sessão: Agronegocio
» Empresas do Agronegócio conseguem financiamento de R$ 199 milhões para investimentos em Mato Grosso
» Processamento de soja cresce 5,5% em fevereiro na comparação anual
» Clima será decisivo para o milho safrinha no Centro-Oeste
» Livre de aftosa com vacinação, Brasil deve avançar em mercados de carnes, diz Maggi
» Parecis Superagro: Feira discute conectividade no campo
» Preço do milho tem alta de 32% no MS em março
» Vigilância Agropecuária: Fiscais impedem entrada de sementes de alto risco
» Produtores tiram foco do milho e se voltam para soja
» Primavera do Leste: Taques sanciona lei que reduz alíquota do feijão na abertura da Farm Show
» Preços agrícolas influenciam na alta do Índice Geral de Preços de março
» Carne certificada: Imac retoma atividades com orçamento médio de R$ 10 milhões
» Abertura do Norte AgroShow terá leilões com mais de 10 mil animais e descontos de 2%
» Caem exportações de milho
» Depois de três anos de queda, abate de bovinos cresce 3,8%; Mato Grosso segue líder
» Clima favorece soja do Matopiba e região deve colher 12,1 mi de toneladas
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.