Cuiabá 20/07/2018
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Politica
MPE pede cassação do prefeito de Cáceres Francis Maris

Francis Maris Cruz nomeou de forma irregular conselheira de Saúde para cargo de coordenadora de Vigilância Sanitária e Epidemiológica, o que é vedado por lei municipal.


 

O Ministério Público Estadual (MPE) ofereceu denúncia contra o prefeito de Cáceres Francis Maris Cruz (PSDB) e a secretária municipal de Saúde Evanilda Costa do Nascimento Félix por crime de responsabilidade no ato de nomeação da servidora para o cargo comissionado de coordenadora de Vigilância Sanitária Epidemiológica e Controle de Endemias.

A denúncia foi assinada pelo coordenador do Núcleo de Ações de Competência Originária – Naco Criminal, promotor de justiça Antônio Sérgio Cordeiro Piedade, no início do mês, e protocolada junto ao gabinete do desembargador Gilberto Giraldelli, da Turma de Câmaras Criminais Reunidas. Nela, o promotor pede que Francis Maris seja condenado à perda do cargo de prefeito e tenha seus direitos políticos suspensos.

Consta nos autos que em agosto do ano passado, um servidor público federal protocolou reclamação junto a Ouvidoria do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MT) em relação à suposta prática de crimes de prevaricação e abuso de poder ao ter sido retaliado e perseguido administrativamente, chegando ao ponto de ter rompida sua cessão pelo fato de ter denunciado a situação irregular de Evanilda Felix.

A reclamação junto ao TRE foi arquivada, mas o Ministério Público Estadual seguiu investigando o caso e apurou que Evanilda realmente acumulava os cargos de conselheira de Conselho Municipal de Saúde e coordenadora da Vigilância Sanitária.

A legislação do Município de Cáceres veda a nomeação a cargos de confiança de conselheiros municipais, com exceção de secretários de Saúde. Na época em que foi nomeada para atuar na Vigilância Sanitária, em fevereiro de 2016, Evanilda ainda não era secretária de Saúde, o que veio a se tornar apenas em setembro do ano passado.

Por sua vez, a prevaricação do prefeito teria ocorrido porque ele foi informado da ilegalidade pelo Conselho Municipal de Saúde em agosto de 2016, mas não tomou providências, permanecendo a irregularidade até o final do mandato da conselheiro, que se deu em março deste ano. Ainda assim, a legislação do Município veda a nomeação a cargo de confiança até 1 ano após o mandato de conselheiro. 

 

Autor: Celly Silva, repórter do GD
Data: 28/12/2017
Noticias da Sessão: Politica
» Em Brasília: Mendes discute estratégias e finanças com cúpula do DEM
» Emanuel Pinheiro entrega 5° unidade do PSF restaurada
» Atual política de incentivos fiscais é apresentada em Câmara Temática
» Várzea Grande: Guilherme Maluf acompanha vistoria de obras de duplicação
» Wilson Santos apresenta cronograma para votação da LDO
» Coletiva do prefeito sobre a saúde municipal será às 14h nesta segunda-feira
» Primeira-dama repassa cobertores à prefeitura que destina a dezenas de entidades sociais
» FEEF é aprovado com substitutivo integral e três emendas
» Deputados analisam o Plano Diretor da Região Metropolitana do Vale do Rio Cuiabá
» Presidente do TCE-MT recebe a visita do prefeito de Rondonópolis
» Sem Quórum: Botelho teme faltosos na eleição e pode mudar sessões na AL
» CST do Geoparque de Chapada dos Guimarães elabora relatório final
» Ex-deputado confirma ter recebido R$ 50 mil gravado em vídeo de delator
» Deputados aprovam criação do fundo fiscal para arrecadar R$ 183 milhões
» Após casos de 'mau uso', CNJ proíbe que juízes façam manifestação política em redes sociais
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.