Cuiabá 15/12/2017
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Meio Ambiente
Por que desprendimento de iceberg gigante na Patagônia intriga cientistas

Com área de 16 campos de futebol, iceberg se soltou da geleira Grey, no sul do Chile; enquanto estiver à deriva e em fragmentação, ameaça passeios turísticos na região.


 

m iceberg gigante que se desprendeu da geleira Grey, no sul do Chile, pegou de surpresa autoridades locais e está intrigando especialistas.

Funcionários da Corporação Florestal Nacional, entidade vinculada ao governo que responde pela política florestal do país, afirmam ter se deparado com o fenômeno na última segunda-feira (27).

O glaciar é uma das formações de gelo do Parque Nacional Torres del Paine, uma área formada por montanhas, lagos e geleiras na Patagônia chilena.

Encontrar blocos de gelo soltos na região não é incomum, mas esse caso foi classificado como "especial".

De acordo com o glaciologista Andrés Rivera, há algum tempo não era visto um iceberg com características tão particulares.

 

"É um iceberg muito grande, por sua forma e dimensão", disse ele, especialista do Centro de Investigações Científicas chileno.

 

 

Localização do iceberg na parte sul do Chile (Foto: BBC ) Localização do iceberg na parte sul do Chile (Foto: BBC )

Localização do iceberg na parte sul do Chile (Foto: BBC )

O especialista detalhou quais características tornam esse iceberg tão inusitado:

 

1. Seu tamanho

 

Análises preliminares indicam que o iceberg tem cerca de 350 metros de comprimento por 300 metros de largura, o que significa uma área de aproximadamente 100 mil metros quadrados.

Para efeito de comparação, seria algo equivalente a 16 campos de futebol profissional.

 

"Sempre há a liberação de icebergs, mas essa geleira tem sofrido recuos e perdido massa praticamente durante todo o século 20. E isso se acelerou na última década", observa Rivera.

 No caso do glaciar Grey, o especialista atribui esse grande desprendimento à perda de massa do gelo originado recentemente.

 

Nas últimas décadas foram registrados outros desprendimentos, mas não com essas características (Foto: AFP) Nas últimas décadas foram registrados outros desprendimentos, mas não com essas características (Foto: AFP)

Nas últimas décadas foram registrados outros desprendimentos, mas não com essas características (Foto: AFP)

 

2. Seu formato incomum

 

É muito comum a formação de grandes blocos de gelo ou icebergs, mas não como o visto nesta semana.

Ele tem uma forma muito retangular, ao contrário da maioria dos icebergs, que são muito irregulares.

 

"Em geral, eles (os icebergs) são menores e têm características complexas, mas não um formato de mesa. O nome desse tipo de iceberg é tabular. Não há muitos vistos com esse formato. É um fenômeno incomum", explica Rivera.

 

Já foram registrados desprendimentos maiores que este na geleira Grey, especificamente em 1997 e 2011. A diferença é que nesses dois casos foram produzidas dezenas de icebergs, e não apenas um com esse formato.

 

"A grande surpresa deste caso é que se gerou um grande bloco tabular", diz o glaciologista.

 

 

3. O risco de fragmentação

 

Enquanto esse iceberg permanecer como um bloco grande de gelo, ele não representa perigo.

Mas os especialistas acreditam que, ao ficar à deriva e sujeito a um derretimento natural, ele se fragmentará nas próximas semanas – e isso traz riscos.

Um deles é à navegação de embarcações turísticas, que representam uma das principais fontes de renda para a economia local.


"Esses lagos são visitados por milhares de turistas, e a presença de icebergs pode impedir e dificultar o deslocamento dessas embarcações", disse Rivera.

 

O glaciologista Ricardo Jaña, do Instituto Antártico Chileno, concorda que o iceberg pode ser uma ameaça quando houver a desfragmentação, segundo apontou em um comunicado.

De 1945 até hoje foram perdidos cerca de 500 quilômetros quadrados na área de gelo da América do Sul, segundo Rivera, o que tem efeitos colaterais nas encostas de terra que estão descobertas.

 

"À medida que ocorrem esses desprendimentos, essas encostas ficam instáveis, e há a queda de rochas. É um risco geológico importante."
Autor: Por BBC
Data: 01/12/2017
Noticias da Sessão: Meio Ambiente
» Por que desprendimento de iceberg gigante na Patagônia intriga cientistas
» Estudo liga desaceleração da Terra a aumento de terremotos e prevê mais tremores devastadores em 2018
» A inovadora máquina que absorve CO2 da atmosfera e o transforma em um gás com valor econômico
» Brasil ganha reforço de R$ 420 milhões para combate ao desmatamento
» Dióxido de carbono atinge nível recorde
» Desastres naturais: Mais 19 municípios do RS têm emergência reconhecida por causa de vendavais
» Desmatamento na Amazônia caiu 16% no último ano, diz ministro do Meio Ambiente
» Termina período proibitivo para queimadas em Mato Grosso
» ICMBio cria reservas particulares do patrimônio natural em São Paulo e no Paraná
» Proibição à pesca é diferenciada em 17 rios de divisa com Mato Grosso
» Novo relatório da ONU define caminhos para um planeta livre de poluição
» Piracema começa neste domingo nos rios de MT; multas podem passar de R$ 100 mil
» Brasil registra média de 78 milhões de raios por ano, diz Inpe
» Qual efeito de mais CO2 na atmosfera para Amazônia?
» Governo vai revogar decreto que extinguia Renca; área voltará a ficar sob proteção
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.