Cuiabá 25/09/2018
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Agronegocio
Setor nega venda de carne com aditivo à Rússia

Representantes das indústrias de bovinos e suínos postam em uma reabertura do mercado em breve


 

A indústria de carnes brasileira negou nesta terça-feira que exporte produtos com o aditivo ractopamina à Rússia, apostando em uma "breve" retomada dos embarques para o país euroasiático.

Segundo o presidente da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), Antônio Camardelli, o setor "executa todas as análises preliminares para exportação de carne bovina" sem o aditivo à Rússia.

 

Apesar de a Rússia ser um dos maiores importadores de carnes do Brasil, Camardelli previu efeito limitado sobre o setor, dado que durante o inverno (no Hemisfério Norte) a Rússia sazonalmente importa menos por causa de portos congelados, e disse esperar uma "rápida recomposição" das vendas.

 

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa a avicultura e a suinocultura do Brasil, disse ter recebido com preocupação a decisão russa, mas aposta no trabalho do governo brasileiro para "o pleno e rápido esclarecimento, retomando em breve os embarques". "O setor está seguro sobre as características de seu produto ", afirmou a ABPA.

 

Mercado

No Brasil, o estimulante de crescimento, usado como ingrediente à ração animal, não é autorizado na produção de carne bovina, mas na suína tem sinal verde, cabendo aos exportadores esse controle.

 

A Rússia respondeu por 40% das vendas brasileiras de carne suína no acumulado do ano até setembro, segundo dados da ABPA, enquanto os russos representaram 11% das exportações de carne bovina do país até outubro, conforme a Abiec.

 

Em nota, o Ministério da Agricultura (Mapa) disse não ter recebido por parte do governo russo, até o momento, notificação de suspensão das carnes bovina e suína brasileira, mas apenas a notificação sobre a presença de ractopamina. A pasta ponderou que "o Brasil utiliza o sistema de segregação de suínos, o que impossibilitaria a detecção de ractopamina".

 

Autor: PORTAL DO AGRONEGÓCIO
Data: 24/11/2017
Noticias da Sessão: Agronegocio
» Demanda chinesa deve duplicar plantio de algodão no Brasil
» China substituirá soja dos EUA por produto do Brasil e outros países, diz executivo da Jiusan
» Cargill planeja fábrica de R$ 550 milhões no Brasil
» Milho pressiona poder de compra do avicultor
» Agronegócio lidera emprego com atividades relacionadas à soja e laranja
» PR: abates de frango têm queda de 23,5% devido a greve dos caminhoneiros
» Conseleite-SC: Preço pago ao produtor deve subir 11,2% em junho
» Frango e suíno subvertem curva sazonal de preço das carnes
» Soja transgênica modernizou a economia brasileira
» Tabela da ANTT dobrou preço do frete e deverá ser alterada, diz Blairo Maggi
» Confinamento de bovinos crescerá em Mato Grosso, prevê IMEA
» Coreia do Sul abriu mercado para a carne suína do Brasil, diz ministro
» Na Turquia, Blairo Maggi trata da exportação de carne bovina congelada e bois vivos
» IBGE estima alta de 32,5% na produção de trigo
» Céleres eleva estimativa de safra de soja do Brasil a recorde de 117,8 mi t
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.