Cuiabá 24/11/2017
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Politica
Apoiou proposta: Adversário de Taques defende PEC e alfineta deputados opositores

Parlamentar do PDT afirmou, porém, que não mudou de posição em relação ao Executivo


 

Integrante da oposição ao governador Pedro Taques (PSDB), o deputado estadual Zeca Viana (PSD) afirmou que votou a favor da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Teto de Gastos, na última terça-feira (24), por acreditar que a medida trará benefícios a Mato Grosso.

 

A proposta determina o congelamento dos gastos públicos em um prazo de cinco anos. O texto foi encaminhado pelo Executivo à Assembleia no fim de setembro.

 

A PEC foi aprovada na terça-feira, por 16 votos a quatro. Os parlamentares contrários à proposta foram Janaina Riva (PMDB), Valdir Barranco e Allan Kardec, ambos do PT, e Wancley Carvalho (PV).

 

Uma das surpresas durante a aprovação foi o voto do deputado Zeca Viana, que apoiou o projeto encaminhado pelo Executivo.

 

Zeca Viana justificou que não é por ser oposição a Pedro Taques que deverá ir contra todas as propostas do Governo do Estado.

 

“Eu sou oposição ao Governo, mas não sou contra o Estado. A PEC é boa para Mato Grosso, nós sabemos disso. Não tem jeito, nós temos que ir ao enfrentamento”, declarou.

 

Segundo ele, a PEC trará economia de R$ 1,3 bilhão ao Estado no próximo ano. Apesar de a medida não garantir o fim da dívida bilionária, ele disse que trará melhor forma de pagamento e ajudará na crise econômica enfrentada em Mato Grosso.

 

Eu sou oposição ao Governo, mas não sou contra o Estado. A PEC é boa para Mato Grosso

“Nós temos essa economia de R$ 1,3 bilhão, para deixar de pagar no ano que vem. Inclusive, o próprio governador falou que a aprovação da PEC é a solução definitiva para a saúde no Estado. Então, vamos esperar que ele cumpra a parte dele, porque esse dinheiro vai vir pro caixa, pro governador fazer as ações necessárias para o nosso Estado”.

 

“Aprovando a PEC, o Estado não vai deixar de pagar as dívidas, mas vai alongar o prazo de pagamento”, acrescentou.

 

Alfinetada na oposição

 

Para o parlamentar, os demais membros da oposição que votaram contra a PEC tiveram somente o interesse de atender aos pedidos dos servidores públicos estaduais.

 

"É uma questão de proteção dos servidores mais do que o posicionamento de cada um. Não tenho dúvida de que a deputada Janaina [Riva], o Allan Kardec e o Valdir Barranco sabem o que é bom para o Estado. Eles sofreram a pressão dos servidores e, como sempre vinham defendendo os servidores, mantiveram esse apoio”, declarou.

 

Ele ainda alfinetou os aliados que compõem a oposição ao governador Pedro Taques.

 

“Se você está defendendo uma causa, tem que ver o que está defendendo e o que quer da causa. Não é dizer que não quer somente por ser contra. Não é assim”.

 

Para ele, os colegas do Legislativo não souberam dizer “não” aos servidores públicos em relação à proposta.

 

Eu também defendi e defendo os servidores. Mas tem momentos em que há limites e chegou nesse limite

“Eu também defendi e defendo os servidores. Mas tem momentos em que há limites e chegou nesse limite. E eles [os outros membros da oposição] não tiveram, talvez, essa capacidade de dizer: 'não, gente, a PEC é boa para o Estado e nós temos que aprovar'. Eles preferiram ficar do lado dos servidores”, afirmou.

 

Críticas de servidores

 

Em razão de ter votado a favor da PEC, Viana tornou-se alvo de críticas dos servidores. A categoria não concordou com o posicionamento do parlamentar e chegou a protestar contra ele durante a votação da proposta.

 

"Eu acho que isso é natural. Os servidores estiveram no meu gabinete, ontem de manhã, e eu perguntei o que precisariam para ajudarmos na PEC. Eles disseram que não queriam emendas na proposta, porque se eles colocassem qualquer coisa, estariam sendo favoráveis à PEC”.

 

“Então, eles disseram que não queriam que votassem. Mas eu fui bem claro com eles e disse que a proposta seria votada”, comentou.

 

Apesar do posicionamento adotado durante a votação, Viana garantiu que se mantém contrário ao atual Governo.

 

“Não estou elogiando o governador Pedro Taques, em hipótese nenhuma. Nós temos, aqui, um compromisso com o Estado. Temos que entender o que é melhor para o Estado e a Assembleia tem que estar unida para defender os interesses de Mato Grosso”, disse.

 

A PEC

 

Entre outros itens, o texto impõe condição para a Revisão Geral Anual (RGA), impede a concessão de incentivos fiscais e determina que o Governo apresente uma reforma administrativa, incluindo o programa de incentivo à demissão voluntária.

 

Para ser aprovada, a proposta precisa passar por mais duas votações no Legislativo estadual.

 

A PEC precisa estar aprovada antes do fim de novembro, prazo para que o Governo Federal decida se dará os benefícios da aprovação da medida, entre os quais está o não-pagamento de R$ 1 bilhão em dívidas com a União.

 

Logo após aprovação em primeira votação, a PEC passará por uma segunda votação, em um prazo de até 15 dias.

 

A partir de agora, a proposta poderá receber emendas somente da Comissão Especial, que analisará o atual texto da proposta.

 

 

Leia mais sobre o assunto:

 

PEC do Teto de Gastos é aprovada em primeira votação na AL-MT

Integrante da oposição ao governador Pedro Taques (PSDB), o deputado estadual Zeca Viana (PSD) afirmou que votou a favor da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Teto de Gastos, na última terça-feira (24), por acreditar que a medida trará benefícios a Mato Grosso.

 

A proposta determina o congelamento dos gastos públicos em um prazo de cinco anos. O texto foi encaminhado pelo Executivo à Assembleia no fim de setembro.

 

A PEC foi aprovada na terça-feira, por 16 votos a quatro. Os parlamentares contrários à proposta foram Janaina Riva (PMDB), Valdir Barranco e Allan Kardec, ambos do PT, e Wancley Carvalho (PV).

 

Uma das surpresas durante a aprovação foi o voto do deputado Zeca Viana, que apoiou o projeto encaminhado pelo Executivo.

 

Zeca Viana justificou que não é por ser oposição a Pedro Taques que deverá ir contra todas as propostas do Governo do Estado.

 

“Eu sou oposição ao Governo, mas não sou contra o Estado. A PEC é boa para Mato Grosso, nós sabemos disso. Não tem jeito, nós temos que ir ao enfrentamento”, declarou.

 

Segundo ele, a PEC trará economia de R$ 1,3 bilhão ao Estado no próximo ano. Apesar de a medida não garantir o fim da dívida bilionária, ele disse que trará melhor forma de pagamento e ajudará na crise econômica enfrentada em Mato Grosso.

 

Eu sou oposição ao Governo, mas não sou contra o Estado. A PEC é boa para Mato Grosso

“Nós temos essa economia de R$ 1,3 bilhão, para deixar de pagar no ano que vem. Inclusive, o próprio governador falou que a aprovação da PEC é a solução definitiva para a saúde no Estado. Então, vamos esperar que ele cumpra a parte dele, porque esse dinheiro vai vir pro caixa, pro governador fazer as ações necessárias para o nosso Estado”.

 

“Aprovando a PEC, o Estado não vai deixar de pagar as dívidas, mas vai alongar o prazo de pagamento”, acrescentou.

 

Alfinetada na oposição

 

Para o parlamentar, os demais membros da oposição que votaram contra a PEC tiveram somente o interesse de atender aos pedidos dos servidores públicos estaduais.

 

"É uma questão de proteção dos servidores mais do que o posicionamento de cada um. Não tenho dúvida de que a deputada Janaina [Riva], o Allan Kardec e o Valdir Barranco sabem o que é bom para o Estado. Eles sofreram a pressão dos servidores e, como sempre vinham defendendo os servidores, mantiveram esse apoio”, declarou.

 

Ele ainda alfinetou os aliados que compõem a oposição ao governador Pedro Taques.

 

“Se você está defendendo uma causa, tem que ver o que está defendendo e o que quer da causa. Não é dizer que não quer somente por ser contra. Não é assim”.

 

Para ele, os colegas do Legislativo não souberam dizer “não” aos servidores públicos em relação à proposta.

 

Eu também defendi e defendo os servidores. Mas tem momentos em que há limites e chegou nesse limite

“Eu também defendi e defendo os servidores. Mas tem momentos em que há limites e chegou nesse limite. E eles [os outros membros da oposição] não tiveram, talvez, essa capacidade de dizer: 'não, gente, a PEC é boa para o Estado e nós temos que aprovar'. Eles preferiram ficar do lado dos servidores”, afirmou.

 

Críticas de servidores

 

Em razão de ter votado a favor da PEC, Viana tornou-se alvo de críticas dos servidores. A categoria não concordou com o posicionamento do parlamentar e chegou a protestar contra ele durante a votação da proposta.

 

"Eu acho que isso é natural. Os servidores estiveram no meu gabinete, ontem de manhã, e eu perguntei o que precisariam para ajudarmos na PEC. Eles disseram que não queriam emendas na proposta, porque se eles colocassem qualquer coisa, estariam sendo favoráveis à PEC”.

 

“Então, eles disseram que não queriam que votassem. Mas eu fui bem claro com eles e disse que a proposta seria votada”, comentou.

 

Apesar do posicionamento adotado durante a votação, Viana garantiu que se mantém contrário ao atual Governo.

 

“Não estou elogiando o governador Pedro Taques, em hipótese nenhuma. Nós temos, aqui, um compromisso com o Estado. Temos que entender o que é melhor para o Estado e a Assembleia tem que estar unida para defender os interesses de Mato Grosso”, disse.

 

A PEC

 

Entre outros itens, o texto impõe condição para a Revisão Geral Anual (RGA), impede a concessão de incentivos fiscais e determina que o Governo apresente uma reforma administrativa, incluindo o programa de incentivo à demissão voluntária.

 

Para ser aprovada, a proposta precisa passar por mais duas votações no Legislativo estadual.

 

A PEC precisa estar aprovada antes do fim de novembro, prazo para que o Governo Federal decida se dará os benefícios da aprovação da medida, entre os quais está o não-pagamento de R$ 1 bilhão em dívidas com a União.

 

Logo após aprovação em primeira votação, a PEC passará por uma segunda votação, em um prazo de até 15 dias.

 

A partir de agora, a proposta poderá receber emendas somente da Comissão Especial, que analisará o atual texto da proposta.

 

 

Leia mais sobre o assunto:

 

PEC do Teto de Gastos é aprovada em primeira votação na AL-MT

 

Autor: Midia News - VINÍCIUS LEMOS DA REDAÇÃO
Data: 28/10/2017
Noticias da Sessão: Politica
» Maioria do STF vota pela restrição ao foro privilegiado para parlamentares
» Em Rondonópolis: MPE investiga licitação de R$ 5,1 milhões suspensa pelo TCE
» Botelho defende lanche para estudantes antes do início das aulas
» Fávaro lidera comitiva para tratar da ampliação da malha ferroviária de MT
» Quatro dias depois de serem soltos, deputados estão de volta à cadeia
» PF apreende armas, munições e pasta 'bomba' com conselheiro do TCE
» Leonardo Bortolin está eleito prefeito de Primavera do Leste com 69,25% dos votos
» Botelho confirma reunião com Campos para definir migração do grupo de Mendes para o DEM: “exige muita conversa”
» MPE notifica secretário a demitir ex-deputado do cargo de médico
» Câmara aprova projeto que acaba com atenuante de pena para menor de 21 anos
» Deu no "UOL": Senador faz emenda em MP que beneficia empresa da qual é sócio
» Eraí Maggi defende Blairo e diz que ele sofre perseguição por “sempre fazer o bem ao Brasil”
» Sem direito: Tribunal nega adicional de 5% nos salários de 40 juízes de Mato Grosso
» Ilhas Cayman: Maggi é beneficiário de empresa em paraíso fiscal, afirma site
» Viagem de Taques e Fávaro: Botelho assume o Governo e Maluf, a presidência da Assembleia
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.