Cuiabá 25/02/2018
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Agronegocio
Novos mercados para a carne bovina brasileira podem ser anunciados em 2017

Os frigoríficos brasileiros de carne bovina estão otimistas com a possibilidade de reabertura de mercados ainda em 2017


 

Fechado desde junho, o mercado de carne bovina in natura dos EUA está próximo de ser reaberto, disse Camardelli. Há duas semanas, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, já havia afirmado que o mercado dos EUA poderá ser reaberto em outubro.

 

De acordo com o presidente da Abiec, os EUA deram um sinal positivo em setembro quando liberaram as importações de carne bovina termoprocessada de cinco frigoríficos brasileiros que estavam barrados desde junho. Naquele mês, os americanos vetaram o produto brasileiro devido, entre outras coisas, à presença de abscessos na carne.

 

O segundo maior importador da carne do Brasil, a China, também deve ampliar o acesso dos produtos brasileiros. Segundo Camardelli, uma missão de técnicos do país asiático virá ao Brasil em novembro, o que poderá acelerar a habilitação de mais frigoríficos. Hoje, 16 frigoríficos de carne bovina do Brasil estão autorizados a exportar à China.

 

Mercado sempre cobiçado pelos frigoríficos brasileiros, a Coreia do Sul também poderá dar notícias positivas para o país, disse Camardelli. No próximo dia 17, uma missão de técnicos coreanos chegará ao Brasil para avaliar as condições dos frigoríficos. A visita, destacou o presidente da Abiec, será feita após um pedido dos próprios coreanos, o que mostra que a Coreia tem “vontade de comprar produtos brasileiros”.

 

Segundo Camardelli, a Coreia do Sul sempre resistiu ao produto brasileiro com o argumento de que o Brasil vacina seu rebanho contra a febre aftosa. No entanto, disse ele, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) tem insistido que esse não é um argumento válido para barrar a carne, o que pode ter surtido efeito.

 

Outro fato que pode ter ajudado a convencer os coreanos foi o painel aberto pelo Brasil na Organização Mundial de Comércio (OMC) contra a Indonésia, justamente por barrar a carne bovina do Brasil por causa da vacinação contra a febre aftosa.

Por fim, Camardelli também destacou a provável reabertura do mercado das Filipinas. Na avaliação dele, os filipinos estão na “iminência” de liberar a carne do Brasil.


 

Autor: Portal do Agronegócio
Data: 19/10/2017
Noticias da Sessão: Agronegocio
» Produção de etanol de milho domina oferta na entressafra de cana, diz Unica
» De cada US$ 100 que o Brasil embolsou em 2017, mais de US$ 40 vieram do agro
» Blairo considera agricultura mais forte que antes e meta para 2018 é abrir mercados
» Produtores de algodão da Bahia decretam guerra ao Bicudo
» Café especial do Brasil bate recorde mundial no leilão do CoE Pulped Naturals
» Brasil lidera patentes de café, aponta relatório de agência da ONU
» Quatro regiões de Mato Grosso finalizam plantio da soja
» MPE investiga se uso de agrotóxicos está causando problemas de saúde em 6 cidades de MT
» Setor nega venda de carne com aditivo à Rússia
» Maior importador: Chineses chegam a MT para aprender sobre suinocultura e estreitar parcerias
» Mercado de carne bovina chinês no foco do Brasil e EUA
» Planejamento divulga boletim sobre cenário econômico de Mato Grosso
» Fila de navios para embarcar açúcar no Brasil aumenta a 47 na semana, diz Williams
» Rússia aumenta restrições à carne importada do Brasil
» Energia renovável: Etanol brasileiro pode substituir 13,7% do petróleo consumido no mundo
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.