Cuiabá 21/11/2017
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Agronegocio
Milho a céu aberto e preços abaixo do mínimo preocupam produtores de Mato Grosso

O presidente da Aprosoja-MT pontua que Mato Grosso possui uma capacidade estática de apenas 34 milhões de toneladas de grãos em armazéns públicos.


 

Após registrar perdas de quase 7 milhões de toneladas de milho na safra 2015/2016, Mato Grosso deve ver no ciclo 2016/2017 um novo recorde de produção  do cereal que pode chegar a 30 milhões de toneladas. Os produtores mato-grossenses não descartam cenas de milho a céu aberto por falta de armazéns e afirmam temer maior queda nos preços, que hoje no mercado futuro são encontrados na casa dos R$ 13.

 

Hoje, os números do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) apontam para o milho uma produção de 26,5 milhões de toneladas. Contudo, uma revisão começa a ser feita. De acordo com o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT), Endrigo Dalcin, já se espera uma safrinha de 30 milhões de toneladas. Tal perspectiva nova é decorrente as chuvas regulares durante o desenvolvimento do milho.



Leia mais:

Safra recorde de 1 bi/t de milho no mundo pressiona preços e gera incertezas em Mato Grosso

 

Caso Mato Grosso colha 30 milhões de toneladas de milho safrinha, também conhecido como 2ª safra, o Estado entre o cereal e a soja somara no ciclo 2016/2017 uma produção de 61 milhões de toneladas. Somente em soja 31 milhões de toneladas devem ser colhidas, com uma média histórica de 55 sacas por hectare.

 

O presidente da Aprosoja-MT pontua que Mato Grosso possui uma capacidade estática de apenas 34 milhões de toneladas de grãos em armazéns públicos. Muito aquém do necessário e do estipulado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), que exige uma capacidade instalada superior a 20% do que é produzido para garantir qualidade de armazenagem e recebimento.

 

“A colheita do milho está batendo na porta e não foi escoada toda a soja. Além da soja que não foi vendida, temos ainda a soja comercializada para entrega futura para escoar. Esse ano vamos ver a velha cena de milho em Mato Grosso a céu aberto”, comenta Endrigo Dalcin em entrevista ao Agro Olhar.

 

Preços

 

Conforme o presidente da Aprosoja-MT, os preços estão desestimulando os produtores tanto de soja quanto de milho, o que pode ser observado no andamento das vendas deste ciclo. O Estado já comercializou aproximadamente 65% da safra de soja e 43% do milho, segundo o Imea.

 

Endrigo Dalcin e o gestor de análise de mercado do Imea, Ângelo Ozelame, destacam que os preços da soja e do milho estão pressionados para baixo pela supersafra brasileira, além da perspectiva de aumento na produção nos Estados Unidos.

 

“Nós temos uma comercialização que está um pouco travada desde o início do ano, apesar de estar um pouco adiantada em relação à média dos últimos cinco anos. Porém, a gente tem uma expectativa de uma safra muito grande, que por sinal são mais de 26 milhões de toneladas, e essa safra grande se repete no Brasil e no Mundo. O Mundo vai produzir mais de 1 bilhão de toneladas de milho e o Brasil 93 milhões de toneladas e isso vai pressionando os preços e faz com que o produtor saia do mercado. O que se projeta através do preço de paridade não é de melhora do valor e isso acaba preocupando ainda mais”, salienta o gestor de análise de mercado do Imea, Ângelo Ozelame.

 

Dalcin frisa que hoje um dos temores diante a queda nos preços é o endividamento dos produtores. “Temos problemas de endividamento vindo da safra de milho do ano passado. Não podemos esquecer que a safra 2015/2016 foi a pior de Mato Grosso. Colhemos quase 2 milhões de toneladas de soja a menos do esperado. Em milho foram 7 milhões de toneladas a menos. Muita gente prorrogou o custeio do cereal, investimentos e tinha que pagar agora em 2017. Imagina você pagar a safra atual e mais o restante da passada. Então, acumulou e com os preços baixos isso vai ser um problema de novo”.

 

A expectativa dos produtores é que as operações de Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural (Pepro), Prêmio para o Escoamento (PEP) e de Contrato de Opção anunciadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) auxiliem o setor.

 

No dia 04 de maio, a Companhia Nacional do Abastecimento (Conab) realizará três operações que visam a garantia de preço aos produtores de milho do Estado. Entre Prêmio Equalizador Pago ao Produtor Rural (Pepro) e Prêmio para o Escoamento (PEP) são 400 mil toneladas. Já Contrato de Opção serão ofertados 7.400 contratos. 

 

Autor: olhar direto - Da Redação - Viviane Petroli
Data: 01/05/2017
Noticias da Sessão: Agronegocio
» Mercado de carne bovina chinês no foco do Brasil e EUA
» Planejamento divulga boletim sobre cenário econômico de Mato Grosso
» Fila de navios para embarcar açúcar no Brasil aumenta a 47 na semana, diz Williams
» Rússia aumenta restrições à carne importada do Brasil
» Energia renovável: Etanol brasileiro pode substituir 13,7% do petróleo consumido no mundo
» Plantas daninhas resistentes aumentam custo de produção de soja
» Brasil poderia utilizar potencial de hidrovia entre Cáceres e Uruguai, opinam especialistas
» Concurso Coffe Of The Year 2017 divulga os 150 melhores cafés do Brasil
» Novos mercados para a carne bovina brasileira podem ser anunciados em 2017
» Nova Maringá: Governador faz reunião ampliada com prefeitos e produtores de grãos
» Demanda crescente pelo cacau no final do ano pode dar suporte aos preços
» Receita com exportação de gado vivo sobe 22%
» Receita do agro atinge recorde em Mato Grosso
» Suinocultura: Decreto reduz ICMS de suínos de 12% para 6% e fomenta setor
» Coreia do Sul anuncia frigoríficos catarinenses habilitados a exportar carne suína
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.