Cuiabá 23/05/2017
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Chacota: CQC vai a presídio entregar trem a Silval Barbosa

 Denuncias
 Enquete


Meio Ambiente
Poluição afeta vida aquática na Represa Billings, em SP

Pesquisa da USP aponta para uma grande concentração de medicamentos anticoncepcionais que chegam na água da Billings pelo esgoto.


 

poluição fez diminuir a quantidade de peixes na Represa Billings, na Zona Sul de São Paulo. No lugar da vida aquática, atualmente é fácil encontrar carcaças de carros abandonados no manancial.

A represa é cercada por invasões tanto do lado de São Paulo quanto dos municípios do ABC, o que significa esgoto indo direto para a água. “Muita gente deixou de viver da pesca e passou a trabalhar fora, para manter a família. Porque o peixe está escasso, cada vez mais escasso”, disse a líder comunitária Anatália Rocha, moradora da Ilha do Bororé, no extremo sul da cidade.



Maria Necy é mulher de um ex-pescador. “Ele pescava para a gente poder viver, comer. Acabou o peixe. Tanto que ele não vem mais. A gente se virou e abriu um comércio.”

E é justamente para entender os efeitos da poluição na vida aquática da represa que um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo vem estudando, há mais de dez anos, algumas espécies encontradas na Billings.

“Em ambientes impactados, como o reservatório Billings, há uma grande tendência de dar uma queda na abundancia dos animais, ou seja, a diversidade cai”, disse o biólogo Carlos Eduardo Tolussi.

Poucas espécies resistem a tanta sujeira. Os lambaris são algumas dessas exceções. “A gente consegue dizer que esses animais têm o que a gente chama de plasticidade”, disse a coordenadora da pesquisa, Renata Guimaraes Moreira Whitton. “Então significa que eles conseguem ajustar o seu organismo de acordo com a condição do meio, alterando o período reprodutivo, alterando concentração de alguns hormônios, número de ovos, então tem algumas estratégias.”



A pesquisa aponta para uma grande concentração de medicamentos anticoncepcionais que chegam na água da Billings pelo esgoto. Isso afeta o equilíbrio ambiental. “Esses animais, a partir do momento que eles passam a produzir hormônios femininos, eles deixam de produzir os hormônios que vão garantir o processo de maturação do espermatozoide. E com isso a reprodução pode vir a falhar”, afirmou a bióloga Aline Dal’Olio Gomes.

 



 

Autor: Por Filippo Mancuso, TV Globo
Data: 27/04/2017
Noticias da Sessão: Meio Ambiente
» Brasil dá sinais de retrocesso aos anos 70 no debate entre preservação ou crescimento
» Preparação: Sorriso terá uma semana dedicada à prevenção de incêndios florestais
» Dois são presos por desmatamento irregular em área de preservação em Chapada dos Guimarães
» O misterioso ressurgimento de praia desaparecida há mais de 30 anos
» Racionamento no DF afeta Ceilândia, Asa Sul e Lago Sul neste domingo
» Pescadores e órgãos ambientais se unem contra extinção na Costa dos Corais
» O que é o 'secador de cabelo', fenômeno meteorológico que ajuda a derreter a Antártida
» Cuiabá não cumpre TACs para recuperar nascentes e MPE executa títulos extrajudiciais
» Governo e Ministério Público firmam TAC para implantação definitiva do Parque Ricardo Franco
» Ibama autua Norte Energia em mais de R$ 7,5 milhões por descumprir exigências no licenciamento de Belo Monte
» Sema apreende 70 kg de pescado em Porto Jofre
» Poluição afeta vida aquática na Represa Billings, em SP
» UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: MPE realiza ato público em defesa das reservas Ricardo Franco e Roosevelt
» Coca-Cola investe mais de R$ 1 mi em estudos sobre aquíferos mineiros
» Crimes sem fim: Um dos maiores criadores de pássaros de Guanhães é detido pela PM
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.