Cuiabá 23/05/2017
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Chacota: CQC vai a presídio entregar trem a Silval Barbosa

 Denuncias
 Enquete


Meio Ambiente
Coca-Cola investe mais de R$ 1 mi em estudos sobre aquíferos mineiros

Segundo a multinacional, o objetivo do levantamento é entender o comportamento hidrogeológico da região e possibilitar um melhor aproveitamento dos recursos pela comunidade.


 

Com sua maior fábrica do país instalada desde junho de 2015 aos pés da Serra da Moeda, em Itabirito, na região Central de Minas Gerais, a Coca-Cola FEMSA encomendou um estudo profundo sobre os recursos hídricos da região e que custará mais de R$ 1 milhão à empresa até 2018. Conforme a multinacional, o objetivo do levantamento é entender o comportamento hidrogeológico dos aquíferos Cauê e Gandarela, o que possibilitaria "um melhor aproveitamento dos recursos pela comunidade, governo e outras indústrias que atuam na região".

O estudo, elaborado pela Schlumberger Water Services – empresa com atuação internacional especializada em desenvolvimento, gestão e proteção ambiental dos recursos hídricos –, calculou o potencial das reservas renovável (aquela que se recupera durante o período chuvoso) e permanente (recurso constante existente no subsolo) de água na região. A área analisada, de 280 km², inclui 67 nascentes, 52 poços de bombeamento, 103 poços de observação, cinco drenagens intermitentes, 19 lagoas/pontos de controle e 37 vertedouros da região.

O resultado da primeira fase do levantamento, que foi realizada entre junho e dezembro de 2016, foi apresentado na manhã desta quarta-feira (19) em uma coletiva de imprensa. Até o momento o investimento foi de R$ 400 mil e foram feitos o cadastramento de nascentes, o monitoramento de vazão, coletas de amostras, análises químicas e simulações numéricas.

Segundo Danilo Almeida, um dos responsáveis pelo estudo, em 2017 os levantamentos continuam. "Estes números ainda podem mudar, pois existe uma segunda fase do estudo. Acho importante deixar claro que estes números são baseados nos dados oficiais, não consideram as captações ilegais. Nós rodamos bastante a área, entrevistamos moradores, empresas, e tivemos esse número preliminar que ainda será refinado com novos levantamentos", explicou.

“O estudo reforça o respeito às pessoas e ao meio ambiente, o que faz parte dos valores e atitudes presentes no relacionamento com todos aqueles que participam do dia a dia da empresa. A água é um recurso fundamental para toda a sociedade e, por isso, estamos sempre engajados em fazer o uso consciente”, afirmou o gerente de Assuntos Corporativos da Coca-Cola FEMSA Brasil, Rodrigo Simonato.

Números

Ficou constatado que a reserva renovável dos aquíferos, que ficam na divisa entre Itabirito e Brumadinho, é de cerca de 1,35 milhão de litros por hora, enquanto a reserva permanente é de 800 bilhões de litros. O estudo apontou ainda, de acordo com a Coca-Cola, que todo o bombeamento total de água subterrânea (incluindo empresas e moradores) soma 274 mil litros por hora, o que corresponderia a 21% da reserva renovável. "Dessa forma, o estudo concluiu que, mesmo com todo o consumo da região, 79% da atual reserva renovável não é utilizado: 1,03 milhão de litros por hora", conclui a empresa.

Conforme a multinacional, destes 274 mil litros de água extraídos por hora, 125 mil seriam apenas de sua fábrica em dias de maior consumo, o que representaria 45% do total de água usado atualmente dos aquíferos da região. Em 2017, a empresa contratada fará o monitoramento de 19 nascentes e poços. "Isso será necessário para fornecer uma nova recomendação a longo prazo ou a necessidade de incluir, modificar ou remover algum ponto ou parâmetro do estudo", explica Almeida. Na segunda fase do estudo serão investidos R$ 600 mil.

Em 2018 o monitoramento continua, o que possibilitará uma validação ou revisão das conclusões técnicas apresentadas e a simulação de cenários futuros. Na terceira fase o investimento da Coca-Cola será da ordem de R$ 150 mil.



 

Autor: DE O TEMPO
Data: 27/04/2017
Noticias da Sessão: Meio Ambiente
» Brasil dá sinais de retrocesso aos anos 70 no debate entre preservação ou crescimento
» Preparação: Sorriso terá uma semana dedicada à prevenção de incêndios florestais
» Dois são presos por desmatamento irregular em área de preservação em Chapada dos Guimarães
» O misterioso ressurgimento de praia desaparecida há mais de 30 anos
» Racionamento no DF afeta Ceilândia, Asa Sul e Lago Sul neste domingo
» Pescadores e órgãos ambientais se unem contra extinção na Costa dos Corais
» O que é o 'secador de cabelo', fenômeno meteorológico que ajuda a derreter a Antártida
» Cuiabá não cumpre TACs para recuperar nascentes e MPE executa títulos extrajudiciais
» Governo e Ministério Público firmam TAC para implantação definitiva do Parque Ricardo Franco
» Ibama autua Norte Energia em mais de R$ 7,5 milhões por descumprir exigências no licenciamento de Belo Monte
» Sema apreende 70 kg de pescado em Porto Jofre
» Poluição afeta vida aquática na Represa Billings, em SP
» UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: MPE realiza ato público em defesa das reservas Ricardo Franco e Roosevelt
» Coca-Cola investe mais de R$ 1 mi em estudos sobre aquíferos mineiros
» Crimes sem fim: Um dos maiores criadores de pássaros de Guanhães é detido pela PM
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.