Cuiabá 25/06/2017
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Agronegocio
Setor de carnes é um dos raros em que o Brasil é referência global

A exportação brasileira de carnes cresceu 13% ao ano desde 2000 e atingiu US$ 14,4 bilhões em 2016


 

A exportação é volumosa e diversificada em produtos e destinos neste setor, sem dúvida um dos mais dinâmicos do agronegócio mundial. Se o Brasil sair do mercado mundial, haverá uma imediata escassez, que impactará a segurança alimentar de boa parte da população mundial.

Os principais fatores que explicam o sucesso do Brasil nas proteínas animais são:

Disponibilidade de milho e farelo de soja: principais componentes da ração usada para criar aves e suínos, esses dois itens respondem por mais da metade do custo de produção dos animais. A maioria dos países que produzem carne no mundo importa soja e/ou milho das Américas, o que encarece o seu custo de produção.

Produtividade: genética avançada e uso de insumos modernos garantem elevadas conversões alimentares na produção de aves e suínos (kg de ração por kg de carne). No boi, o melhoramento de capins tropicais e do gado zebuíno (puro ou cruzado com raças europeias) gerou 143% de ganho de produtividade desde 1990.

Status sanitário: o Brasil tem sido privilegiado pela ausência de graves epidemias que atingem a pecuária em outros continentes, como a influenza aviária, a doença de newcastle, a peste suína, a diarreia epidêmica porcina e a vaca louca.

Coordenação da cadeia produtiva: exemplos notáveis de coordenação e eficiência da cadeia de carnes são:

a) o sistema de integração lavoura-pecuária na produção primária de grãos e bovinos;

b) a integração vertical entre pequenos produtores de suínos e aves e as indústrias processadoras, sejam elas privadas ou cooperativas;

c) a amplitude e a eficiência da cadeia fria, que vai do processamento à geladeira dos consumidores no país e no exterior;

d) a grande quantidade de auditorias, certificações e padrões privados que garantem qualidade, sanidade, rastreabilidade e bem-estar do animal.

Vale destacar que a maior parte dos países importadores impõe rígidos sistemas de aprovação de cada unidade brasileira que quer exportar: acordo sanitário internacional, preenchimento de questionários e auditorias que vão habilitar e monitorar só uma parte das unidades.

Esse processo é moroso e pouco transparente, repleto de travas sanitárias, técnicas e burocráticas, não raro sem base científica e previsibilidade. Nossos frigoríficos são constantemente inspecionados por técnicos e clientes dos países importadores: em 2016, só a JBS e a BRF receberam 550 auditorias do exterior.

Curiosamente vários países que hoje restringem a carne brasileira não aplicam internamente os mesmos critérios exigidos nas importações. A realidade nua e crua de grande parte dos países em desenvolvimento é triste: abate de animais vivos em mercados molhados (chamados de "wet markets"), sujeira e contaminações por toda a parte, animais heterogêneos e sem controle sanitário de origem, trabalhadores descalços, sem camisa, luvas ou toucas de proteção, ausência de cadeia fria no mercado e nas casas.

Padrão, sanidade, qualidade e cadeia fria infelizmente são a exceção, e não a regra, para a maior parte dos consumidores do planeta.

O setor de proteínas animais é um dos raros segmentos da economia em que nos tornamos referência global, graças a exportações que agregam volume, qualidade, sanidade e preços acessíveis, além de boas perspectivas. Basta dizer que, enquanto a demanda mundial por alimentos aumentará 46% até 2050, a procura por proteínas animais crescerá 95%, mais que o dobro.



 

Autor: PORTAL DO AGRONEGÓCIO
Data: 20/04/2017
Noticias da Sessão: Agronegocio
» Novacki: governo trabalha para criar condições melhores de escoamento da produção agrícola
» Megaleite deve movimentar R$ 10 milhões
» Trangênicos: Soja mato-grossense é bem aceita na China assim como em Mato Grosso
» TCU aponta prejuízo de R$ 850 milhões aos cofres públicos em operações da JBS
» Mandioca é uma das culturas que melhor se adaptam às mudanças climáticas
» Diagnóstico mostrará como reduzir perdas e elevar qualidade da soja brasileira
» Agroprodução: Safra de grãos em Mato Grosso será 35% maior
» Lei de Botelho beneficia pequenos produtores de Santo Antônio de Leverger
» Hidrovia: Reativação do Porto de Cáceres será um marco no escoamento da produção de MT
» Brasil já colheu 25% da produção de café, em ritmo dentro da média
» Governo investe R$ 18 milhões na maior cooperativa de produção de leite de MT
» Vendas de máquinas agrícolas cresceram 17% em maio
» Agroeventos/Feiras: Bahia Farm Show 2017 bate novamente marca do R$ 1 bilhão
» Alta Floresta: Governo entrega 40 resfriadores de leite no Café da Roça
» Plano safra será robusto e dentro do esperado, diz Geller
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.