Cuiabá 24/05/2017
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Chacota: CQC vai a presídio entregar trem a Silval Barbosa

 Denuncias
 Enquete


Meio Ambiente
Poluição está matando o sagrado rio Ganges e intoxica os devotos hindus

Em alguns pontos do Ganges em Varanasi, nível de bactérias fecais por cada 100 mililitros chega a 31 milhões. Máximo recomendável para o banho são 500.


 

Uma corrente de resíduos está matando o Ganges, o rio indiano mais sagrado para o hinduísmo, que passa por grandes centros de peregrinação, como Varanasi, onde milhões de devotos mergulham na busca pela salvação, sem saber que cada gota dele é tóxica.

Para os crentes hindus, o Ganges é uma deidade que limpa os pecados depois de se banhar nos cinco pontos (ghats) de peregrinação que há em sua passagem por Varanasi (norte da Índia), onde, além disso, é possível venerar diariamente de várias maneiras: à distância, tocando levemente, mergulhando ou inclusive bebendo sua água.

O lugar onde se manifesta essa devoção são ghats que conduzem à margem do rio desde as abarrotadas ruas de Varanasi, onde diariamente milhares de pessoas realizam ritos menos espirituais como lavar a roupa ou tomar banho.

Mas os dados são evidentes: em alguns pontos do Ganges na cidade o nível de bactérias fecais por cada 100 mililitros chega a 31 milhões, como na confluência com a foz do rio Varuna, ou a 51 mil na popular Tulsi ghat, quando o máximo recomendável para o banho são 500 e, para o consumo, zero.

São números de 20 de janeiro recopilados pela Fundação Sankat Mochan, uma organização com laboratório próprio que batalha há 35 anos para devolver ao Ganges seu antigo esplendor, implementando novas tecnologias para o tratamento efetivo de águas residuais.

"O estado do rio é uma lástima", declarou à Agência Efe o presidente da fundação, Vishwambhar Nath Mishra, que afirma que a situação é ainda mais "alarmante" ao longo dos cinco quilômetros nos quais o povo "interage" com ele.

Segundo um estudo publicado em 2006 na Revista Internacional de Saúde Meio Ambiental, nas águas do Ganges em Varanasi é possível contrair cólera, hepatite A, febre tifoide, doenças gastrintestinais e disenteria.

Para o presidente da Sankat Mochan, o "remédio" a esta problemática está em interceptar as águas residuais, desviá-las do rio e tratá-las até um nível que se transformem em inócuas para o uso, usando as mesmas depois para rega ou outros propósitos.



 Mas Mishra criticou o fato de que até agora somente foram instalados cinco pontos de bombeamento às margens do rio, alguns decorados com desenhos gigantes de deidades hindus, que "estão funcionando acima de sua capacidade" e que, além disso, não tratam as bactérias fecais, algo que é feito por um novo sistema que recomendaram.

Além disso, em sua opinião, longe de colaborar, as autoridades se limitam a lançar promessas impossíveis de limpeza do Ganges.

A ministra de Recursos Hídricos indiana, Uma Bharti, "agora diz que ele estará limpo em 2018, antes das próximas eleições parlamentares. Eu gostaria de saber qual varinha mágica ela conseguiu, porque como vai completar em dois anos o que não foi feito em 30?", perguntou Mishra.

O problema da limpeza do Ganges não afeta só Varanasi. Ao longo de seus 2.525 quilômetros de percurso, desde o alto do Himalaia até sua foz no oriental Golfo de Bengala, vivem 400 milhões de pessoas, um terço da população indiana, que dependem estreitamente de suas águas.

Segundo a Missão Nacional para Limpar o Ganges, dependente do Ministério de Recursos Hídricos, o rio recebe diariamente 12 mil milhões de litros de resíduos e só há capacidade para tratar um terço deles, um problema sem solução apesar dos vários planos nacionais iniciados desde 1986.

Para fornecer seu grão de areia, algumas ONGs como a Sulabh International se ocupam de embelezar a margem do rio em sua passagem por Varanasi limpando de resíduos com a ajuda de um exército de voluntários.

Um desses trabalhadores, Ravi Sahni, declarou à Efe que há quatro meses a Sulabh International se dedica a retirar diariamente "plásticos e demais sujeira" das margens do Ganges, para que as pessoas possam ir até lá "e relaxar".

E assim elas fazem. Como os sacerdotes que sob uma sombrinha pintam símbolos religiosos, casais sentados nas escadas para admirar o rio e vacas que vagam por ali, enquanto não deixam de arder as piras funerárias daqueles que foram morrer em Varanasi para se libertar do ciclo das reencarnações.

Autor: Agencia EFE
Data: 23/03/2017
Noticias da Sessão: Meio Ambiente
» Brasil dá sinais de retrocesso aos anos 70 no debate entre preservação ou crescimento
» Preparação: Sorriso terá uma semana dedicada à prevenção de incêndios florestais
» Dois são presos por desmatamento irregular em área de preservação em Chapada dos Guimarães
» O misterioso ressurgimento de praia desaparecida há mais de 30 anos
» Racionamento no DF afeta Ceilândia, Asa Sul e Lago Sul neste domingo
» Pescadores e órgãos ambientais se unem contra extinção na Costa dos Corais
» O que é o 'secador de cabelo', fenômeno meteorológico que ajuda a derreter a Antártida
» Cuiabá não cumpre TACs para recuperar nascentes e MPE executa títulos extrajudiciais
» Governo e Ministério Público firmam TAC para implantação definitiva do Parque Ricardo Franco
» Ibama autua Norte Energia em mais de R$ 7,5 milhões por descumprir exigências no licenciamento de Belo Monte
» Sema apreende 70 kg de pescado em Porto Jofre
» Poluição afeta vida aquática na Represa Billings, em SP
» UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: MPE realiza ato público em defesa das reservas Ricardo Franco e Roosevelt
» Coca-Cola investe mais de R$ 1 mi em estudos sobre aquíferos mineiros
» Crimes sem fim: Um dos maiores criadores de pássaros de Guanhães é detido pela PM
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.