Cuiabá 15/09/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Meio Ambiente
Especialista dá dicas de como comprar protegendo a floresta

Consumidor tem que ficar atento à carne bovina.
Na hora de construir, madeira certificada deve ser prioridade.


 

De uma forma ou de outra, o consumo cotidiano dos cidadãos das grandes cidades causa impacto na Amazônia. Consultado pelo Globo Amazônia, o diretor-presidente do Instituto Akatu pelo Consumo Consciente, Hélio Mattar, dá dicas de como tentar evitar que uma ida ao supermercado contribua para devastar a maior floresta tropical do mundo.

 

Segundo o especialista, o primeiro produto a que o consumidor deve dar atenção é a carne bovina, já que o gado pode ter sido criado em área desmatada da Amazônia. “Infelizmente não há ainda como identificar diretamente a origem da carne”, comenta, apontando que está em elaboração um selo que identificará produtos que não causaram desmatamento. “O consumidor deve perguntar no local da compra de onde vem o produto. Muito provavelmente vai ouvir ‘não sei’. Mas se muitos começarem a perguntar, isso deve mudar”, observa.

 

“O segundo produto a que devemos dar atenção é a soja”, aponta o presidente do Akatu. A produção da commodity – que está presente numa grande variedade de alimentos, a começar pelo óleo de cozinha – pressiona a floresta. A cada ano, novas áreas de floresta são desmatadas para dar lugar aos campos de plantio. Segundo Mattar, o consumidor também deve prestar atenção à origem da carne de aves, já que elas são alimentadas com soja.

 

Na hora de construir ou reformar, o especialista recomenda procurar madeira com o selo do FSC (sigla em inglês para Conselho de Manejo Florestal), que certifica que o material tem origem em áreas de manejo, ou seja, que foram extraídas de forma legal e controlada. No manejo florestal, as árvores são cortadas seletivamente e numa quantidade que permite a recuperação natural da mata. “É um engano pensar que não podemos usar a madeira amazônica”, diz Mattar. “É até interessante fazer o manejo, pois ele dá lugar a novas árvores que absorvem mais carbono (elemento que, na atmosfera, contribui para o aquecimento global) durante seu crescimento”.

 
Autor: www.g1.com.br - Dennis Barbosa Do Globo Amazônia, em São Paulo
Data: 16/12/2008
Noticias da Sessão: Meio Ambiente
» Tempo seco e calor: Três bairros lideram as queimadas na zona urbana em Cuiabá
» Desmatamento: Primeira fiscalização com novo sistema de monitoramento gera R$ 7,5 milhões em multas
» Municípios com maior número de queimadas tiveram as maiores taxas de desmatamento em 2019, diz Ipam
» Ministro afirma que parte dos incêndios é intencional
» Parque Nacional: Incêndio atinge Chapada há 6 dias e destrói área de 30 km
» Fim das sacolas dos supermercados impõe mudança de hábitos aos cidadãos
» Brasil é o país que mais altera leis que deveriam proteger a Amazônia, indica estudo
» Extensa programação: 15ª Semana do Meio Ambiente tem início com caminhada no Parque Mãe Bonifácia
» França bane uso de fungicida epoxiconazol por preocupações com saúde
» Relatório aponta mais impactos negativos do plástico no meio ambiente e na saúde humana
» Ibama flagra extração ilegal de madeira em terra indígena e polícia prende 12 pessoas em MT
» Desmatamento diminui 77% da Amazônia em MT em março de 2019, diz governo
» Mudanças climáticas abalaram a vida de 62 milhões só no ano passado, diz relatório da OMM
» Fim de semana produtivo para o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental
» Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental apreende 173 palanques de madeira durante Operação Ágata em Cáceres-MT*
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.