Cuiabá 15/09/2019
Busca:  
 Home
 Últimas Notícias
 Cidades
 Política
 Esporte
 Polícia
 Meio Ambiente
 Turismo
 Agronegócio
 Mundo
 Artigos
 Aúdio e Video
 Galeria de Fotos
 Quem Somos
 Fale Conosco
Tunel do Tempo
 
Aquecido "Triângulo da Lavagem"

 Denuncias
 Enquete


Meio Ambiente
Ministério Público pede fim do desmatamento em assentamentos do PA

Ação do MPF exige recuperação ambiental de 473 locais.
Segundo o órgão, ritmo de destruição chega a 3% ao ano.


 

Uma ação movida pelo Ministério Público Federal (MPF) de Marabá (PA) pede à Justiça o início imediato da recuperação ambiental de 473 assentamentos localizados no sudeste paraense. Segundo o MPF, essas áreas de reforma agrária ocupam 44 mil quilômetros quadrados – o equivalente ao estado do Rio de Janeiro – e cerca de 70% de suas florestas já foi desmatada.


Assinada pelo procurador Marco Mazzoni, a ação judicial cobra do Incra a responsabilidade de recuperar a vegetação destruída ilegalmente. Hoje, os proprietários de terras amazônicas têm direito de desmatar 20% de seus lotes. Segundo o processo movido pelo MPF, quem passou dessa cota teria que recompor, a cada três anos, o equivalente a um décimo da área desmatada de forma irregular.


Segundo a assessoria de comunicação o Incra, desde o início deste ano não são mais criados assentamentos sem a licença dos órgãos ambientais, e desde 2007 o instituto já vem trabalhando para recompor áreas degradadas dentro dos assentamentos. 

 

Destruição acelerada

Para obter dados precisos sobre o desflorestamento, o MPF encomendou ao Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) um estudo sobre as áreas degradadas nos lotes da reforma agrária. A pesquisa apontou que, no sul e sudeste do Pará, o ritmo de destruição nesses locais é de 3% ao ano, enquanto a média nos assentamentos na Amazônia é de 1,8%.


Como forma de fiscalizar o desmatamento nas áreas de reforma agrária, Mazzoni sugere um mecanismo que conte com imagens de satélite e colaboração de internautas. Como exemplo, ele cita na ação judicial o mapa interativo do Globo Amazônia, onde os usuários podem protestar contra a destruição da floresta.


Aprenda a vigiar a floresta utilizando o mapa do Globo Amazônia


Para quem quiser checar onde estão os assentamentos, qual é o seu tamanho e o quanto já foi desmatado, o MPF publicou um arquivo do tipo KMZ com todas as informações (clique para baixar o arquivo). Ele pode ser aberto por meio do programa Google Earth, que é gratuito. 

 
 
 
 
Autor: www.g1.com.br - Do Globo Amazônia, em São Paulo
Data: 16/12/2008
Noticias da Sessão: Meio Ambiente
» Tempo seco e calor: Três bairros lideram as queimadas na zona urbana em Cuiabá
» Desmatamento: Primeira fiscalização com novo sistema de monitoramento gera R$ 7,5 milhões em multas
» Municípios com maior número de queimadas tiveram as maiores taxas de desmatamento em 2019, diz Ipam
» Ministro afirma que parte dos incêndios é intencional
» Parque Nacional: Incêndio atinge Chapada há 6 dias e destrói área de 30 km
» Fim das sacolas dos supermercados impõe mudança de hábitos aos cidadãos
» Brasil é o país que mais altera leis que deveriam proteger a Amazônia, indica estudo
» Extensa programação: 15ª Semana do Meio Ambiente tem início com caminhada no Parque Mãe Bonifácia
» França bane uso de fungicida epoxiconazol por preocupações com saúde
» Relatório aponta mais impactos negativos do plástico no meio ambiente e na saúde humana
» Ibama flagra extração ilegal de madeira em terra indígena e polícia prende 12 pessoas em MT
» Desmatamento diminui 77% da Amazônia em MT em março de 2019, diz governo
» Mudanças climáticas abalaram a vida de 62 milhões só no ano passado, diz relatório da OMM
» Fim de semana produtivo para o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental
» Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental apreende 173 palanques de madeira durante Operação Ágata em Cáceres-MT*
 
Tempo
 
Copyright © 2008 Todos os direitos reservados ao NavegadorMT.